Municípios projetam demitir servidores

A presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB), Maria Quitéria, afirma que o aumento do salário mínimo, que passa de R$ 678 para R$ 724 a partir deste mês, causará demissões de servidores. Segundo ela, o reajuste na folha de pagamento terá impacto de 14% a 15%

A presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB), Maria Quitéria, afirma que o aumento do salário mínimo, que passa de R$ 678 para R$ 724 a partir deste mês, causará demissões de servidores. Segundo ela, o reajuste na folha de pagamento terá impacto de 14% a 15%
A presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB), Maria Quitéria, afirma que o aumento do salário mínimo, que passa de R$ 678 para R$ 724 a partir deste mês, causará demissões de servidores. Segundo ela, o reajuste na folha de pagamento terá impacto de 14% a 15% (Foto: Voney Malta)

Bahia247 - A presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB), Maria Quitéria, teme que aconteça mais demissões de servidores com o aumento do salário mínimo, que passa de R$ 678 para R$ 724 a partir deste mês, de acordo com reportagem de Daniela Pereira, no site Tribuna da Bahia (tribunadabahia.com.br).

Segundo Quitéria, 60% das prefeituras sofreram um impacto de 14% e 15% a mais com o reajuste na folha de pagamento. Ela disse que em algumas prefeituras já são registradas algumas demissões, como é o caso de Ilhéus, Lauro de Freitas, Itagi, Barreiras, Dário Meira e Cardeal da Silva, onde ela é gestora.

Para a maior parte dos 417 municípios baianos, o mínimo vai ter um peso significativo no orçamento para este ano, já que 60% da folha de pagamentos das prefeituras baianas estão vinculados ao piso federal. "Quitéria ainda aponta que outra fonte de renda, o Fundo de Participação dos Municípios (FPM), não tem acompanhado os sucessivos aumentos do salário mínimo e, por isso, as prefeituras estão em situação cada vez mais difícil".

De acordo com cálculos da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), o aumento do salário mínimo terá um impacto de R$ 1,79 bilhão na caixa das prefeituras em 2014. O cálculo da Confederação Nacional dos Municípios para saber o impacto do salário mínimo sobre o caixa das prefeituras levou em conta os encargos que são pagos sobre o salário base, como o INSS patronal, FGTS, salário família e PIS, entre outros.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247