Na Praça da Sé, Doria é alvo de protestos contra medidas autoritárias

No primeiro aniversário da cidade de São Paulo sob sua gestão, o prefeito João Doria (PSDB) enfrentou vaias de manifestantes que o aguardavam na Praça da Sé, diante da Catedral, onde é realizado o tradicional ato ecumênico em homenagem à cidade, que completa 463 anos; convocado pela Central dos Movimentos Populares (CMP), esta primeira manifestação dirigida diretamente contra a gestão Doria, reúne 3 mil pessoas entre integrantes de coletivos de luta por moradia, do movimento de mulheres, das periferias e em defesa dos moradores de rua

No primeiro aniversário da cidade de São Paulo sob sua gestão, o prefeito João Doria (PSDB) enfrentou vaias de manifestantes que o aguardavam na Praça da Sé, diante da Catedral, onde é realizado o tradicional ato ecumênico em homenagem à cidade, que completa 463 anos; convocado pela Central dos Movimentos Populares (CMP), esta primeira manifestação dirigida diretamente contra a gestão Doria, reúne 3 mil pessoas entre integrantes de coletivos de luta por moradia, do movimento de mulheres, das periferias e em defesa dos moradores de rua
No primeiro aniversário da cidade de São Paulo sob sua gestão, o prefeito João Doria (PSDB) enfrentou vaias de manifestantes que o aguardavam na Praça da Sé, diante da Catedral, onde é realizado o tradicional ato ecumênico em homenagem à cidade, que completa 463 anos; convocado pela Central dos Movimentos Populares (CMP), esta primeira manifestação dirigida diretamente contra a gestão Doria, reúne 3 mil pessoas entre integrantes de coletivos de luta por moradia, do movimento de mulheres, das periferias e em defesa dos moradores de rua (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Rede Brasil Atual - No primeiro aniversário da cidade de São Paulo sob sua gestão, o prefeito João Doria (PSDB) enfrentou vaias de manifestantes que o aguardavam na Praça da Sé, diante da Catedral, onde é realizado o tradicional ato ecumênico em homenagem à cidade, que este ano completa 463 anos.

Convocado pela Central dos Movimentos Populares (CMP), esta primeira manifestação dirigida diretamente contra a gestão Doria, reúne 3 mil pessoas entre integrantes de coletivos de luta por moradia, do movimento de mulheres, das periferias e em defesa dos moradores de rua.

Para os manifestantes, a chamada operação Cidade Linda não visa apenas à limpeza urbana, mas sobretudo social, com medidas de higienização, perseguição e expulsão das populações mais pobres. É o caso do decreto de Doria, do início desta semana, que retirou o veto à remoção de cobertores de moradores de rua pela guarda civil – medida que levou servidores da coordenação de políticas para a população de rua, em desacordo com a medida, a pedirem exoneração.

Outro presente de Doria à cidade, que ele está pintando de cinza, é o aumento dos limites de velocidade nas marginais Tietê e Pinheiros. Ontem, a desembargadora Flora Maria Nesi Tossi Silva, da 13ª Câmara de Direito Público, derrubou liminar obtida pela Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo (Ciclocidade) que mantinha os limites baixados durante a gestão de Fernando Haddad (PT).

À reportagem da Rádio Brasil Atual, a coordenadora da Marcha Mundial de Mulheres em São Paulo, Sonia Coelho, disse que o momento não é de comemoração, mas de luta. "Nós não podemos dar sossego para esse governo que começou desmontando a secretaria de políticas para as mulheres e impondo retrocessos."

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email