Na Rússia que derrotou o nazismo, vai à final um time de inclinação fascista

O jornalista Mauro Lopes, editor do 247, escreve outra crônica sobre a Copa, desta vez sobre a final entre França e Croácia; "Na Rússia que derrotou o nazismo vai à final um time com clara presença de fascistas xenófobos'; e acrescenta: os jogadores croatas cantaram e espalharam nas redes, depois da vitória contra a Argentina, "a música Bojna Cavoglave, uma canção nacionalista e xenófoba, que faz apologia da ajuda da Croácia aos nazifascistas na Segunda Guerra"

Na Rússia que derrotou o nazismo, vai à final um time de inclinação fascista
Na Rússia que derrotou o nazismo, vai à final um time de inclinação fascista (Foto: Dan Mullan)

Na Rússia que derrotou o nazismo vai à final um time com clara presença de fascistas xenófobos. É terrível.

Confesso que fico com o coração apertado.

Será um impacto ver os times de França e Croácia alinhados em campo no domingo.

De um lado, um time que é uma bela colcha de retalhos multicor, com jogadores filhos de migrantes que comeram o pão que o diabo amassou, mas fizeram sua vida na França, um time que sofre, mas enfrenta, a oposição dos racistas de Le Pen. Do outro, só brancos, um time povoado de fascistas.

A presidente da Croácia, Kolinda Grabar-Kitarovic, tem feito sucesso nos estádios russos ao acompanhar o time envergando roupas quadriculadas, a estampa do uniforme número um da seleção. As TVs fazem a festa com as imagens de Kitarovic. Mas não informam que ela, ex-alta funcionária da OTAN, foi eleita em 2015 numa aliança de seu partido, a União Democrática Croata, com outros sete partidos de direita e de ultradireita, derrotando o candidato social-democrata.

O primeiro-ministro do país, Andrej Plenković, fez manifestações expressas de solidariedade ao general Slobodan Praljak, que se suicidou logo de pois de ser condenado em 2017 por bárbaros crimes de guerra em Haia.

Está bem que a França não é o paraíso: que o digam os argelinos, que o digam os operário em luta contra o neoliberalismo, que o digam os migrantes em resistência contra a Frente Nacional de Marie le Pen. Macron não é um homem de esquerda (já foi), hoje trafega na direita conservadora neoliberal no espírito dos democratas americanos da ala de Hillary Clinton, representantes do capital financeiro globalizado.

Mas na França ainda há democracia, mesmo alquebrada, ainda há espaço para a afirmação da liberdade, e sua seleção é o avesso do racismo de fundo nazista.

O fascismo entre os jogadores da seleção croata não é repudiado pela mídia, governo ou por entidades do país, exceto uma minoria vinculada aos direitos humanos. Para as elites locais, o passado nazifascista do país é visto como parte da formação do atual Estado Croata, não existindo um sentimento público de repulsa.

Os jogadores croatas, poucos dias atrás, depois da vitória contra a seleção da Argentina, gravaram e espalharam nas redes, orgulhosos, um vídeo cantando a música Bojna Cavoglave, uma canção nacionalista e xenófoba, que faz apologia da ajuda da Croácia aos nazifascistas na Segunda Guerra.

E isso, repito, no solo da nação que impediu o mundo cair diante do absurdo nazista.

Não dá pra pensar que é "só futebol" o que estará em campo no domingo.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247