‘Não queira saber como é minha vida’, diz irmão de Richthofen

Essa teria sido a frase de Andreas Richthofen aos policiais que o cercaram no início da semana enquanto ele pulava o muro de uma casa na zona sul, com a roupa rasgada e em aparente estado de surto psicótico; pessoas próximas viram sinais de uma "fase difícil" na vida do irmão de Suzane vin Richthofen, condenada pela morte dos próprios pais em 2002

Essa teria sido a frase de Andreas Richthofen aos policiais que o cercaram no início da semana enquanto ele pulava o muro de uma casa na zona sul, com a roupa rasgada e em aparente estado de surto psicótico; pessoas próximas viram sinais de uma "fase difícil" na vida do irmão de Suzane vin Richthofen, condenada pela morte dos próprios pais em 2002
Essa teria sido a frase de Andreas Richthofen aos policiais que o cercaram no início da semana enquanto ele pulava o muro de uma casa na zona sul, com a roupa rasgada e em aparente estado de surto psicótico; pessoas próximas viram sinais de uma "fase difícil" na vida do irmão de Suzane vin Richthofen, condenada pela morte dos próprios pais em 2002 (Foto: Charles Nisz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Não queira saber como é minha vida". Assim Andreas Albert von Richthofen, 29, resume sua situação.

A declaração foi feita pelo irmão de Suzane von Richthofen, condenada a 39 anos de prisão pela morte dos pais em 2002, aos policiais que o cercaram no início da semana enquanto ele pulava o muro de uma casa na zona sul de São Paulo, em aparente estado de confusão mental, segundo o consultor tributário Mauricio Orlando.

"Estava assustado. Acho que não queria que soubessem quem era", disse o consultor, segundo reportagem da Folha.

Às 6h47 de terça-feira 30, ele foi filmado por câmeras descendo a rua Engenheiro Alonso de Azevedo. Andreas rasgou as roupas ao pular as grades da casa e ser espetado por pequenas lanças. O rapaz caiu em um jardim e deitou sob a janela, onde permaneceu quieto, sangrando.

A PM apareceu às 7h30. Transtornado, ele foi conduzido para a frente da casa. Ele contou que sua casa atual fica na rua República do Iraque, perto de onde residia a família Richthofen antes do crime.

Graduado em Farmácia e Bioquímica pela USP, possui doutorado em Química pela mesma universidade, que frequentou entre 2005 e 2015. Andreas era considerado aluno competente pelos seus professores. "Sempre foi uma pessoa excelente, afável, aluno exemplar. Não soube mais dele depois que terminou [o doutorado]", disse Cláudio Di Vitta, professor que orientou Andreas na pós-graduação.

Pessoas próximas viram sinais de uma "fase difícil" na vida de Andreas, segundo reportagem do jornal Extra (leia aqui).

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247