No dia do trabalho, população protesta contra o governo Vilela

Integrantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e de várias entidades sindicais e partidos políticos foram às ruas para denunciar o descaso do governo do Estado para com as áreas de Educação, Saúde e Segurança Pública. Esse é o terceiro ato contra o governo de Alagoas realizado nas últimas semanas em Maceió.

No dia do trabalho, população protesta contra o governo Vilela
No dia do trabalho, população protesta contra o governo Vilela

Alagoas 247 - As chuvas que caíram em Maceió no início da manhã desta quarta-feira (1°) não impediram a realização da 3ª Jornada de Lutas em Defesa de Alagoas, que acontece na orla da capital, no trecho que vai do Posto 7 ao Alagoinhas.

Para o coordenador da mobilização, Cícero Lourenço, a população atendeu ao chamado e compareceu à caminhada por não aguentar mais tanto descaso. Ele afirma que o fato de o governador Teotônio Vilela ter ido a São Paulo para fazer uma cirurgia no joelho só demonstra que a saúde de Alagoas não funciona como o governo diz funcionar.

 “O governador foi fazer a cirurgia em São Paulo porque a saúde pública do Estado é ruim, não funciona, e o pior é que a cirurgia foi paga com recursos públicos. Esse ato é para cobrar ações e investimentos efetivos em áreas fundamentais para o Estado, como a saúde, a segurança e a educação. Um exemplo disso é o alto índice de violência, que nada mais é que o resultado da falência da educação no Estado”, falou Cícero Lourenço.

Ele afirma que a culpa do alto índice de violência em Alagoas é também do gestor, que não investe em áreas fundamentais. “Assassino não é só quem aperta o gatilho e dispara a bala, mas também o gestor, que não dá condições para que uma escola funcione de forma decente, para que o policial civil possa investigar e para que a polícia militar possa fazer o seu trabalho. O gestor que não dá essas condições, também é assassino”, disse Lourenço. 

Com faixas, cartazes e muita disposição, milhares de pessoas participaram do ato nesta manhã, sendo puxadas por um trio elétrico que teve o objetivo de chamar a atenção da população que passa ou que mora na orla da capital. 

A representante da CUT, Girlene Lázaro, a jornada, realizada em pleno feriado, também tem o objetivo de fortalecer a luta do trabalhador, que levanta cedo, todos os dias, para enfrentar os desafios diários, mesmo sem ter muitos motivos para comemorar. 

 “Nesse Dia do Trabalhador só podemos comemorar a força e a disposição que temos para levantar todos os dias, porque de conquistas não temos nada”, falou. 

Críticas

Um dos participantes do ato desta quarta-feira é o ex-governador Ronaldo Lessa (PDT), que fez duras críticas ao governo Teotônio Vilela e à propaganda veiculada na televisão que aponta para a redução do número de mortes em Alagoas. 

 “A propaganda das velas celebra o enterro do governo Teotônio Vilela. Não é a primeira vez que as propagandas do Estado mostram o mundo da fantasia. Quem sai às ruas, quem conversa com o povo, sabe que a realidade não é essa que aparece na televisão. O governador vive fora da realidade”, disse Lessa.

Para o ex-governador, no feriado desta quarta-feira, os trabalhadores de Alagoas só podem comemorar as conquistas e os direitos adquiridos nacionalmente, já que no Estado, segundo ele, os servidores não são respeitados. 

 “Não há prioridade, não há critérios para estabelecer um caminho de valorização profissional. O filho do pobre vai ao hospital e não tem atendimento. O pobre vai à delegacia prestar queixa e não tem delegado, não tem policial civil, a delegacia está fechada. Esse movimento é importante para que a população tenha conhecimento do desgoverno Teotônio Vilela. São sete anos de atraso”, ressaltou Ronaldo Lessa. 

Com gazetaweb.com

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247