No Nordeste, Haddad passa de 5% para 13%

A primeira pesquisa realizada pelo Datafolha realizada após o TSE negar o registro da candidatura de Lula e, também, depois do ataque a Jair Bolsonaro (PSL), aponta que antes mesmo de ser apresentado como o "nome de Lula", o candidato a vice na chapa do PT, Fernando Haddad, viu suas intenções de voto na Região Nordeste passarem de 5% para 13%. Bolsonaro manteve os mesmos 14% registrados na pesquisa anterior e. Ciro Gomes (PDT), que passou de 14% para 20%, lidera a corrida presidencial na Região. Marina Silva (Rede) despencou de 19% para 11%

www.brasil247.com - No Nordeste, Haddad passa de 5% para 13%
No Nordeste, Haddad passa de 5% para 13% (Foto: Ricardo Stuckert)


Pernambuco 247 - A primeira pesquisa realizada pelo Datafolha, realizada após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negar o registro da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e, também, depois do ataque a Jair Bolsonaro (PSL), aponta que antes mesmo de ser apresentado como o "nome de Lula", o candidato a vice na chapa do PT, Fernando Haddad, viu suas intenções de voto na Região Nordeste passarem de 5% para 13%. Bolsonaro manteve os mesmos 14% registrados na pesquisa anterior. Ciro Gomes (PDT), que passou de 14% para 20%, lidera a corrida presidencial na Região, enquanto Marina Silva (Rede) despencou de 19% para 11%.

O crescimento de Haddad está diretamente ligado ao potencial de transferência de votos do ex-presidente Lula. Segundo a rodada anterior da pesquisa Datafolha, quando o nome de Lula constava dos questionários, ele registrava 59% das intenções de votos dos eleitores nordestinos.
Dentro da estratégia de ligar a Haddad a Lula na Região, onde tradicionalmente o PT é mais forte, o Partido dos Trabalhadores se adiantou a possibilidade da cassação do registro da candidatura Lula e colocou Haddad como o "nome escolhido pelo Lula" para disputar a eleição, o que explica em grande parte a transferência de votos para "Andrade", como o ex-prefeito ficou conhecido na Região.

Ainda segundo o Datafolha, o presidencial Geraldo Alckmin (PSDB) passou de 5% para 7%. Já Álvaro Dias (Podemos) recuou de 2% para 1%. O ex-ministro Henrique Meirelles subiu de 1% para 2%. Os presidenciáveis Guilherme Boulos (PSOL), Vera Lúcia (PSTU), Cabo Daciolo (Patriota) e João Amoêdo se mantiverem estáveis em relação ao levantamento anterior, com 1%. José Maria Eymael (DC) e João Goulart Filho (PPL) não pontuaram. Os votos brancos e nulos recuaram de 28% para 18% e os que não souberam ou não responderam ao levantamento passaram de de 6% para 9%.

A pesquisa Datafolha, encomendada pela TV Globo e pelo jornal Folha de S. Paulo, tem margem de erro de dois pontos porcentuais e nível de confiança de 95%. Foram ouvidos 2.804 eleitores nesta segunda-feira (10) em 197 municípios de todo o país. A pesquisa foi registrada no TSE com o número BR-02376/2018.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email