Novo ajuste fiscal de Marconi tem reconhecimento nacional

O ajuste fiscal promovido pelo governo Marconi Perillo cortou gastos, mas preservou os investimentos, que podem ir além da previsão, afirma reportagem da Folha de S.Paulo deste domingo (22), que destaca o Programa de Austeridade pelo Crescimento do Estado de Goiás; na reportagem “Estados imitam governo federal e adotam teto para conter despesas”, o secretário de Gestão e Planejamento de Goiás, Joaquim Mesquita, afirmou que o programa, que tem como objetivo a sustentabilidade fiscal do Estado no médio e longo prazos, "é um olhar para o futuro”. “É a consolidação definitiva do ajuste fiscal"

O ajuste fiscal promovido pelo governo Marconi Perillo cortou gastos, mas preservou os investimentos, que podem ir além da previsão, afirma reportagem da Folha de S.Paulo deste domingo (22), que destaca o Programa de Austeridade pelo Crescimento do Estado de Goiás; na reportagem “Estados imitam governo federal e adotam teto para conter despesas”, o secretário de Gestão e Planejamento de Goiás, Joaquim Mesquita, afirmou que o programa, que tem como objetivo a sustentabilidade fiscal do Estado no médio e longo prazos, "é um olhar para o futuro”. “É a consolidação definitiva do ajuste fiscal"
O ajuste fiscal promovido pelo governo Marconi Perillo cortou gastos, mas preservou os investimentos, que podem ir além da previsão, afirma reportagem da Folha de S.Paulo deste domingo (22), que destaca o Programa de Austeridade pelo Crescimento do Estado de Goiás; na reportagem “Estados imitam governo federal e adotam teto para conter despesas”, o secretário de Gestão e Planejamento de Goiás, Joaquim Mesquita, afirmou que o programa, que tem como objetivo a sustentabilidade fiscal do Estado no médio e longo prazos, "é um olhar para o futuro”. “É a consolidação definitiva do ajuste fiscal" (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - O ajuste fiscal promovido pelo governo Marconi Perillo cortou gastos, mas preservou os investimentos, que podem ir além da previsão, afirma reportagem do jornal Folha de S.Paulo deste domingo (22), que destaca o Programa de Austeridade pelo Crescimento do Estado de Goiás.

Na reportagem “Estados imitam governo federal e adotam teto para conter despesas”, o secretário de Gestão e Planejamento de Goiás, Joaquim Mesquita, afirmou que o programa, que tem como objetivo a sustentabilidade fiscal do Estado no médio e longo prazos, "é um olhar para o futuro”. “É a consolidação definitiva do ajuste fiscal", resumiu.

A reportagem destacou ainda que, em Goiás, os recursos destinados a investimentos serão preservados e podem ultrapassar o teto estipulado. A Folha também lembrou que o teto de gastos deve ser votado pela Assembleia Legislativa após o retorno do recesso parlamentar. O texto explica que o projeto do governo goiano estipula como teto do crescimento de despesas a variação da inflação anual, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ou a variação da receita corrente líquida (o que for menor). Em quadro comparativo com medidas adotadas por outras unidades da federação, o jornal lembra que a proposta de Goiás tem validade de 10 anos.

Decretos

O teto de gastos que será votado pela Assembleia Legislativa de Goiás é o complemento das medidas tomadas no início deste ano. Decretos publicados no dia 1.º de janeiro resultaram na diminuição de aproximadamente 1,3 mil cargos comissionados, além da extinção de conselhos, superintendências executivas, subsecretarias e contratos temporários. A expectativa do governo, com a aprovação do teto de gastos pelo Legislativo, é atingir uma economia de aproximadamente R$ 1 bilhão. De acordo com Joaquim Mesquita, essas mudanças estruturais tornam as condições fiscais e financeiras do Estado muito mais favoráveis para 2017.

O ajuste fiscal imposto pelo governador Marconi Perillo teve início em 2015. Marconi determinou um ajuste fiscal realista, antecipando a crise econômica, e conseguiu fazer de Goiás um dos Estados menos afetados. O Programa de Austeridade pelo Crescimento do Estado de Goiás dá continuidade às ações de ajuste econômico do Estado, além de abrir caminho para novos pedidos de empréstimos no mercado com o aval do Tesouro Nacional. Mencionadas por diversos especialistas e publicações nacionais, a redução e a racionalização dos gastos públicos renderam destaques da economista Miriam Leitão, do jornal Estadão, O Popular, Folha de São Paulo, entre outros.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email