Novo secretário de Alckmin será o anti-Padilha

O atual responsável pela pasta, Giovanni Guido Cerri, pediu demissão na quarta-feira (14); ele não conseguia ser combativo o suficiente ao ministro Alexandre Padilha, que disputará com Alckmin o governo de São Paulo no próximo ano; novo secretário, David Uip, já havia sido convidado pelo governador para assumir a pasta há cerca de dez dias; ele era médico pessoal do ex-governador tucano Mário Covas e trabalhou em seu governo; Uip escreveu artigo na Folha contra o programa “Mais Médicos” no começo do mês

O atual responsável pela pasta, Giovanni Guido Cerri, pediu demissão na quarta-feira (14); ele não conseguia ser combativo o suficiente ao ministro Alexandre Padilha, que disputará com Alckmin o governo de São Paulo no próximo ano; novo secretário, David Uip, já havia sido convidado pelo governador para assumir a pasta há cerca de dez dias; ele era médico pessoal do ex-governador tucano Mário Covas e trabalhou em seu governo; Uip escreveu artigo na Folha contra o programa “Mais Médicos” no começo do mês
O atual responsável pela pasta, Giovanni Guido Cerri, pediu demissão na quarta-feira (14); ele não conseguia ser combativo o suficiente ao ministro Alexandre Padilha, que disputará com Alckmin o governo de São Paulo no próximo ano; novo secretário, David Uip, já havia sido convidado pelo governador para assumir a pasta há cerca de dez dias; ele era médico pessoal do ex-governador tucano Mário Covas e trabalhou em seu governo; Uip escreveu artigo na Folha contra o programa “Mais Médicos” no começo do mês (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SP 247 - O infectologista David Uip assumirá a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo com uma missão: fazer o contraponto ao ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que é o nome do PT para enfrentar Geraldo Alckmin nas eleições de 2014. Muito criticado, o atual responsável pela pasta, Giovanni Guido Cerri, pediu demissão na quarta-feira (14), justamente, porque dentro do governo tucano, a avaliação é de que ele não conseguia ser oposição ao Padilha sobre questões relacionadas ao setor.

Uip assumirá o posto daqui duas semanas. Hoje dirige o hospital Emílio Ribas. Ele pode ter se gabaritado para a função depois de criticar o programa “Mais Médicos”, em artigo publicado na Folha no começo do mês. “Não se resolve a carência de médicos no interior do Brasil contratando profissionais estrangeiros sem revalidação do diploma ou exame de proficiência em língua portuguesa”, disse, na oportunidade (leia abaixo).

O novo secretário foi um dos confidentes do ex-governador tucano Mário Covas, de quem era médico particular. Chegava a dar palpites tanto quanto a primeira-dama Lila Covas em assuntos importantes da vida do tucano. Ele também ocupou cargo estratégico no governo, dentro do grupo “Livre Pensar” de cooperação à pasta da Saúde. Uip conquistou a amizade de Covas em dezembro de 1998, quando o governador sofreu cirurgia para a retirada de dois tumores malignos. Para garantir a sua vida, o médico montou uma verdadeira “operação de guerra”, com mais de uma centena de profissionais entre enfermeiras, cirurgiões, fisioterapeutas e farmacêuticos.

David Uip é o maior especialista em aids no Brasil, pelo sucesso das pesquisas realizadas na Casa da Aids, uma instituição que atendia pelo SUS mais de quatro mil pessoas por mês, onde foi diretor. Sua esposa, a socióloga Maria Teresa Tolomeo Uip, também trabalhou no governo paulista.

Abaixo artigo de Uip contra a contratação de estrangeiros, publicado na Folha em 4 de agosto:

Quando um é igual a zero

Em 1973, aluno da Faculdade de Medicina do ABC, como voluntário e depois como subcoordenador de saúde do Projeto Rondon, no campus avançado de Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha (MG), senti de perto a total falta de estrutura para a prestação de assistência médica de qualidade a um povo já sofrido.

Tivemos que fazer um parto em plena estrada de terra, pois o serviço de saúde era distante, as condições da rodovia eram terríveis e não havia mais tempo.

Éramos um grupo de entusiastas, mas sempre sob supervisão acadêmica. Ninguém estava ali se não pela sua própria vontade.

Em 1976, já residente da Divisão de Moléstias Infecciosas e Parasitárias do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, continuei no Projeto Rondon, em Marabá (PA). O atendimento às populações ribeirinhas ocorria após uma linda travessia de barco seguida por uma esburacada e longa estrada.

Há 11 anos, convidado pelo governo de Angola, coordeno projetos de prevenção à transmissão vertical do HIV e de biossegurança nos hospitais nacionais. Chegamos lá logo após o fim de uma guerra civil. Ajudamos a qualificar os recursos humanos locais para prestar assistência aos doentes, por meio de treinamentos e intercâmbios.

Essa experiência de décadas me permite dizer, categoricamente, que não se resolve a carência de médicos no interior do Brasil contratando profissionais estrangeiros sem revalidação do diploma ou exame de proficiência em língua portuguesa.

Qualquer médico brasileiro precisa comprovar o domínio do inglês fluente se quiser estagiar nos Estados Unidos, por exemplo. Na atenção primária em saúde, a conversa com o paciente é fundamental.

Nos rincões brasileiros, a carência de estrutura dos serviços de saúde, sem contar a questão do acesso, ainda é, infelizmente, uma realidade. É preciso condições adequadas de trabalho e a possibilidade de crescimento em termos de carreira e qualificação. Nenhum médico hoje ficará satisfeito simplesmente em razão do salário.

Preocupa do mesmo modo a proposta do Ministério da Educação em relação à extensão dos cursos de medicina, com residência compulsória no Sistema Único de Saúde.

Não foi estabelecido de que forma esses alunos serão monitorados à distância ou qual faculdade tem corpo docente suficiente e capacitado para ensinar nas salas de aula e monitorar alunos à distância, simultaneamente.

Se não forem elevados os recursos destinados para a área da saúde, não se fará política pública neste país.

O Instituto de Infectologia Emílio Ribas forma residentes para o país inteiro. Vejo jovens dispostos, que mantêm o romantismo pela profissão e são bem qualificados, mas não encontram condições mínimas de trabalho em muitos lugares.

O Brasil já avançou bastante nas últimas décadas em saúde pública. A população hoje vive mais e com maior qualidade. Ainda temos muito para avançar na área de ensino, pesquisa e qualificação em medicina. Queremos médicos brasileiros, e até mesmo estrangeiros, com condições adequadas para proporcionar saúde à população.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email