O flúor. Amigo ou inimigo dos dentes?

Inimigo, se ingerido em excesso no momento da formação do esmalte dos dentes. Mas o flúor é um amigo para lutar contra as cáries se for utilizado na dose certa ou em aplicação tópica.

O flúor. Amigo ou inimigo dos dentes?
O flúor. Amigo ou inimigo dos dentes?

 

 

Por Marie Anton – Le Figaro

  

Em gotas ou em pequenos comprimidos, muitos de nós recordamos ter engolido aquela dose diária de flúor. Até oito anos atrás, sua prescrição por médicos ou pediatras era quase sistemática para combater a cárie dentária, o lobby industrial tendo enraizado esta prática nos costumes. «No entanto, se a ingestão de flúor for muito importante, seu efeito se torna prejudicial para os dentes», explica a Prof. Anne-Marie Musset, chefe do pólo de medicina e de cirurgia oral dos hospitais universitários de Estrasburgo. Trata-se, portanto de calcular corretamente o total dos aportes fluoretados, especialmente através da alimentação da criança, para não exceder certo limite e respeitar os conselhos da administração.

Quando uma criança ingere flúor (aporte por via sistêmica), este oligoelemento é capaz de se incorporar ao esmalte de seus dentes em formação, enterrados debaixo de suas gengivas, tornando-os mais resistente às cáries. Por outro lado, se ela absorver muito flúor, a formação do esmalte fica alterada: os dentes saem com um esmalte poroso. Linhas de desmineralização esbranquiçadas que podem se colorir secundariamente na cor marrom, aparecem. «É a fluorose dentária que afeta cerca de 2% das crianças na França », avalia a Prof. Musset.

Prescrito corretamente, é um amigo

Mas cuidado, não há necessidade de entrar em pânico ou jogar seu creme dental e seus enxaguatórios bucais fluoretados. «O flúor é um amigo para os dentes a partir do momento em que, como qualquer medicamento, ele é bem prescrito», especifica a Dra. Chantal Naulin-Ifi, cirurgiã-dentista pediátrica e mestre de conferências na Universidade Paris 7. Para as crianças com baixo risco de cáries, a aplicação tópica (local) regular de flúor, através de uma escovação regular (2 a 3 vezes por dia) com uma pasta de dentes, com uma dosagem de flúor apropriada para a idade, é o melhor gesto a ser realizado. Isso, com a condição de cuspi-lo.

Regularmente depositado nos dentes, o flúor é capaz de se integrar superficialmente ao esmalte e assim, aumentar sua resistência aos ataques ácidos das bactérias responsáveis pelas cáries. Sendo também um antibacteriano, ele interrompe o mecanismo de ação destes microorganismos. De acordo com um estudo realizado em 2004, seu efeito local seria ainda mais eficaz que o flúor por via sistêmica. Além disso, «o flúor por via local é mais eficaz sobre os dentes que acabam de sair, porque seu esmalte imaturo é muito maleável. Nos dois anos seguintes, o dente é mais propenso às cáries mas também mais propenso para integrar o flúor », salienta o Dr. Naulin-Ifi.

«A suplementação por gotas ou comprimidos continua sendo uma opção para as crianças com risco elevado de cáries (maus hábitos alimentares e de higiene, malformações hereditárias do esmalte). O esmalte deve ser avaliado pelo cirurgião dentista », especifica a Prof. Musset. Mas não antes de ter realizado uma avaliação dos aportes fluoretados, ela acrescenta. De fato, a dose suficiente e protetora de flúor pode ser proporcionada por outras vias,  às vezes inesperadas, tais como o sal fluoretado, a água, o chá, a pasta dental engolida. Uma única fonte é suficiente, pois a fronteira entre o benefício e o aporte de flúor é tênue. Segundo a OMS, a dose a não ser ultrapassada, para evitar qualquer risco de fluorose, é de 0,05 mg por dia e por quilo de peso corporal, através de todos os aportes, sem exceder 1 mg/dia.

Não exceder a dose benéfica

Anne-Marie Musset, também epidemiologista em saúde pública, conduziu um estudo em 2003 na Alsácia, Champagne-Ardenne e Lorraine, cujos resultados  foram publicados em 2008 na revista Práticas e organizações de cuidados. «Nas crianças de 4 a 12 anos, mais de 40% dos médicos prescreveram gotas de flúor sem nunca ter realizado uma avaliação preliminar dos aportes fluoretados e 45% das crianças tinham um aporte muito importante », lembra ela. Este hábito tem tido uma vida dura até 2008, quando a Afssaps (antiga Agência de medicamento) redigiu um consenso de boas práticas a respeito do flúor, após ter analisado, com uma banca de profissionais, os últimos dados científicos sobre o assunto.

«Há três anos, não vejo mais prescrição sistemática de suplementação de flúor », tranquiliza o Dr. Naulin-Ifi. No entanto, é preciso se manter vigilante sobre todas as outras vias de aporte e pedir uma avaliação do seu cirurgião dentista, para não exceder a dose benéfica.

Para esta avaliação, é interessante munir-se de várias informações, tal como a concentração em flúor de sua água, de seu sal e da pasta dental de seu filho. Na França, a água da torneira não é fluoretada voluntariamente, mas existem departamentos onde o teor de flúor é mais elevado que outros, por causa da composição do solo. O valor desta taxa está disponível na prefeitura. As águas engarrafadas são mais ou menos fluoretadas, de 0,1 a 9 mg/l, as águas com gás sendo mais concentradas em flúor. Para o preparo das mamadeiras dos bebês, recomenda-se o uso de uma água fluoretada a menos de 0,5 mg/l, se não tiver nenhuma suplementação por comprimidos ou gotas, e a menos de 0,3 mg/l, se tiver a suplementação.

 

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247