OAB e PM discutem mortos em confronto

A Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Alagoas (OAB-AL) realizou uma reunião com uma turma de soldados da Polícia Militar recém-formada; objetivo foi discutir a importância do respeito aos direitos humanos e a necessidade de reduzir o número de mortos em confronto com os militares; o aumento do número de policiais mortos e as críticas que a comissão da Ordem vêm recebendo da própria polícia também foram assuntos abordados

A Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Alagoas (OAB-AL) realizou uma reunião com uma turma de soldados da Polícia Militar recém-formada; objetivo foi discutir a importância do respeito aos direitos humanos e a necessidade de reduzir o número de mortos em confronto com os militares; o aumento do número de policiais mortos e as críticas que a comissão da Ordem vêm recebendo da própria polícia também foram assuntos abordados
A Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Alagoas (OAB-AL) realizou uma reunião com uma turma de soldados da Polícia Militar recém-formada; objetivo foi discutir a importância do respeito aos direitos humanos e a necessidade de reduzir o número de mortos em confronto com os militares; o aumento do número de policiais mortos e as críticas que a comissão da Ordem vêm recebendo da própria polícia também foram assuntos abordados (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas247 - A Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AL) realizou, na manhã desta quinta-feira (11), uma reunião com a nova turma de soldados recém-formados do estado. Na ocasião, a importância do respeito aos direitos humanos e a necessidade de reduzir o número de mortos em confronto com os militares foi discutida. O encontro aconteceu na sede da entidade, no bairro de Jacarecica, em Maceió.

De acordo com o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-AL, Daniel Nunes, o objetivo da reunião foi reforçar a parceria com a Polícia Militar de Alagoas, mostrando à turma de soldados o que são os direitos humanos e como as abordagens policiais podem ser realizadas respeitando esses direitos.

O aumento do número de policiais mortos no estado e as críticas que a comissão da OAB-AL vêm recebendo da própria polícia também foram assuntos abordados. Segundo Daniel Nunes, isso acontece porque o trabalho da OAB ainda é pouco compreendido. "É uma falta de compreensão sobre o verdadeiro trabalho da comissão que, é claro, cobra, mas também oferece apoio à PM em suas lutas, como a valorização da tropa e melhores salários", disse.

Com relação ao número de mortos em confrontos com a polícia, o presidente afirmou que a estatística ainda é preocupante, mas que os altos números refletem a morte desses profissionais fora do serviço policial. "Os dados são muito preocupantes. Aumentamos de 20 para 57 o número de mortos pela polícia e eu acredito que isso pode se relacionar com a forma de enfrentamento adotada aqui, que acaba ocasionando essa quantidade de policiais assassinados", falou.

O sub-diretor do Gerenciamento de Crises e Direitos Humanos da Polícia Comunitária, Major Givaldo, que também esteve na reunião, reforçou a fala do presidente e afirmou que o número de mortos em confrontos com a PM é alto, principalmente para uma cidade pequena como Maceió.

"O ideal seria que tivéssemos o mínimo de vítimas possível. Mas isso também se dá pela violência com a qual a polícia é recebida, o que acaba gerando mais violência. Vamos trabalhar para diminuir isso", enfatizou.

A respeito das mortes dos policias fora do ambiente de trabalho, ele ressaltou que essa situação está mais relacionada à violência e não ao fato de eles serem policiais. Disse ainda que a corporação não pode responder se os profissionais estiverem fazendo outro serviço ou envolvidos com o crime.

"Alguns foram mortos por serem policiais, mas em outros casos os bandidos não tinham conhecimento que eles eram PMs. Acreditamos que tenha sido mais pela violência mesmo", destacou.

Com gazetaweb.com

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247