OAB e Sejus têm reunião para analisar a situação carcerária no Ceará

A Comissão de Direito Penitenciário da OAB-CE deve se reunir, nesta quarta-feira (22), com a Secretaria de Justiça do Estado do Ceará para analisar a situação carcerária no Estado. Entre os assuntos da reunião estão a superlotação dos presídios, ressocialização dos presos e concurso para agentes penitenciários  

A Comissão de Direito Penitenciário da OAB-CE deve se reunir, nesta quarta-feira (22), com a Secretaria de Justiça do Estado do Ceará para analisar a situação carcerária no Estado. Entre os assuntos da reunião estão a superlotação dos presídios, ressocialização dos presos e concurso para agentes penitenciários
 
A Comissão de Direito Penitenciário da OAB-CE deve se reunir, nesta quarta-feira (22), com a Secretaria de Justiça do Estado do Ceará para analisar a situação carcerária no Estado. Entre os assuntos da reunião estão a superlotação dos presídios, ressocialização dos presos e concurso para agentes penitenciários   (Foto: Fatima 247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ceará 247 - A Comissão de Direito Penitenciário da OAB Ceará deve se reunir, nesta quarta-feira (22), com a Secretaria de Justiça do Estado do Ceará (Sejus). O objetivo da reunião é promover o diálogo entre as duas entidades, a fim de analisar a situação carcerária no Estado do Ceará.

Segundo o presidente da Comissão de Direito Penitenciário da OAB Ceará, Márcio Vitor Albuquerque, alguns assuntos importantes serão avaliados na reunião. "Vamos fazer um questionamento sobre a situação dos presídios, discutir a superlotação e avaliar mecanismos de ressocialização", explica.

Também serão colocadas em pauta questões como concurso público para agentes penitenciários, a previsão das construções de novas unidades, bem como construção de mais cadeias públicas no interior do Estado.

(Com informações da OAB Ceará)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247