ONU diz que luta global contra Aids está em “situação precária”

A Unaids, agência de combate ao HIV/Aids da ONU, disse em um relatório de atualização que a luta está em uma “situação precária” e que os índices de novas infecções de HIV ameaçam os esforços para derrotar a doença; “As promessas feitas aos indivíduos mais vulneráveis da sociedade não estão sendo cumpridas”, disse o texto

ONU diz que luta global contra Aids está em “situação precária”
ONU diz que luta global contra Aids está em “situação precária”
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

LONDRES (Reuters) - A complacência tem prejudicado a luta contra a epidemia global da Aids, uma vez que o ritmo de avanço não corresponde ao que é necessário, alertou a Organização das Nações Unidas (ONU) nesta quarta-feira (18).

A Unaids, agência de combate ao HIV/Aids da ONU, disse em um relatório de atualização que a luta está em uma “situação precária” e que, embora as mortes estejam diminuindo e os índices de tratamento aumentando, os índices de novas infecções de HIV ameaçam os esforços para derrotar a doença.

“O mundo está saindo dos trilhos. As promessas feitas aos indivíduos mais vulneráveis da sociedade não estão sendo cumpridas”, disse o relatório. “Há muito a se avançar na jornada para acabar com a epidemia da Aids. O tempo está acabando”.

Michel Sidibé, diretor-executivo da Unaids, observou no prefácio do relatório que houve um grande progresso na redução das mortes decorrentes da Aids e no encaminhamento de um número recorde de pessoas para tratamentos com antirretrovirais.

Segundo o relatório, estimadas 21,7 milhões das 37 milhões de pessoas que têm o vírus da imunodeficiência humana (HIV), que causa a Aids, estavam em tratamento em 2017, cinco vezes e meia a mais do que uma década atrás.

Esse aumento rápido e contínuo ajudou a reduzir em 34 por cento as mortes relacionadas à Aids entre 2010 e 2017. Neste último ano elas foram as menores deste século — menos de um milhão de pessoas, disse o relatório.

Mas Sidibé também disse que hoje existem pontos de “crise” na prevenção da disseminação do HIV —particularmente entre populações de alto risco e vulneráveis— e na obtenção de financiamento contínuo.

“O sucesso no salvamento de vidas não está se equiparando a um sucesso igual na redução de novas infecções de HIV”, explicou. “As novas infecções de HIV não estão diminuindo com rapidez suficiente. Os serviços de prevenção de HIV não estão sendo supridos em escala adequada... e não estão alcançando as pessoas que mais precisam deles”.

Sidibé disse que a incapacidade de impedir novas infecções em crianças é uma grande preocupação.

“Estou perturbado com o fato de que, em 2017, 180 mil crianças foram infectadas com HIV, longe da meta geral de 2018 de eliminar novas infecções de HIV em crianças”, escreveu.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247