Operação Carne Fraca não afeta o TO, diz presidente da Adapec

O presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (Adapec), Humberto Camelo, afirmou que as investigações da Operação Carne Fraca são "fatos isolados" e, de acordo com ele, as indústrias do estado não devem sofrer prejuízos com os impactos das revelações da PF  

O presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (Adapec), Humberto Camelo, afirmou que as investigações da Operação Carne Fraca são "fatos isolados" e, de acordo com ele, as indústrias do estado não devem sofrer prejuízos com os impactos das revelações da PF
 
O presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (Adapec), Humberto Camelo, afirmou que as investigações da Operação Carne Fraca são "fatos isolados" e, de acordo com ele, as indústrias do estado não devem sofrer prejuízos com os impactos das revelações da PF   (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Tocantins 247 - O presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (Adapec), Humberto Camelo, afirmou que as investigações da Operação Carne Fraca são "fatos isolados" e, de acordo com ele, as indústrias do estado não devem sofrer prejuízos com os impactos das revelações da PF.

A Operação Carne Fraca investiga 40 empresas do setor alimentício envolvidas em um esquema de corrupção que liberava a venda de alimentos produzidos por frigoríficos sem a devida fiscalização sanitária. Segundo a PF, carnes eram vendidas fora do prazo de validade e até com substâncias cancerígenas. 

“As plantas frigoríficas do Tocantins não foram citadas na Operação Carne Fraca”, disse Camelo. “Os consumidores tocantinenses pode ficar tranquilos, pois exigimos um controle rígido de qualidade nas empresas registradas no Serviço de Inspeção Estadual (SIE)”, afirmou. A entrevista foi concedida ao Norte Agropecuário.

Segundo o dirigente, a Adapec tem “inspetores agropecuários qualificados tecnicamente, que atuam na coibição da venda de produtos clandestinos, e ainda internamente dentro das indústrias, de modo a verificar se realmente está ocorrendo a produção de um alimento de qualidade, visando à promoção da saúde do consumidor”.

 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247