Operação da PF investiga esquema criminoso na Ufal

A Polícia Federal em Alagoas deflagrou a operação ‘Sucupira’, que apura um suposto grupo criminoso que estaria atuando na Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e no governo Estado, promovendo acesso ilegal a curso de mestrado; estão na mira da PF professores que ministram aulas no mestrado em Administração Pública PROFIAP, que estariam, supostamente, favorecendo servidores públicos estaduais que exercem funções relevantes no Executivo; através de nota, a reitora Valéria Correia diz que encaminhou à Corregedoria Seccional da UFAL solicitação para que fossem investigadas as denúncias e que a Corregedoria Seccional da UFAL instaurou Investigação Preliminar

A Polícia Federal em Alagoas deflagrou a operação ‘Sucupira’, que apura um suposto grupo criminoso que estaria atuando na Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e no governo Estado, promovendo acesso ilegal a curso de mestrado; estão na mira da PF professores que ministram aulas no mestrado em Administração Pública PROFIAP, que estariam, supostamente, favorecendo servidores públicos estaduais que exercem funções relevantes no Executivo; através de nota, a reitora Valéria Correia diz que encaminhou à Corregedoria Seccional da UFAL solicitação para que fossem investigadas as denúncias e que a Corregedoria Seccional da UFAL instaurou Investigação Preliminar
A Polícia Federal em Alagoas deflagrou a operação ‘Sucupira’, que apura um suposto grupo criminoso que estaria atuando na Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e no governo Estado, promovendo acesso ilegal a curso de mestrado; estão na mira da PF professores que ministram aulas no mestrado em Administração Pública PROFIAP, que estariam, supostamente, favorecendo servidores públicos estaduais que exercem funções relevantes no Executivo; através de nota, a reitora Valéria Correia diz que encaminhou à Corregedoria Seccional da UFAL solicitação para que fossem investigadas as denúncias e que a Corregedoria Seccional da UFAL instaurou Investigação Preliminar (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por cadaminuto.com.br - A Polícia Federal em Alagoas deflagrou, na manhã desta quinta-feira (11), uma operação denominada de ‘Sucupira’. A finalidade da operação é apurar a estrutura de um suposto grupo criminoso que estaria atuando na Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e no governo Estado, promovendo acesso ilegal a curso de mestrado.

Estão na mira da polícia professores que ministram aulas no mestrado em Administração Pública PROFIAP, que estariam, supostamente, favorecendo servidores públicos estaduais que exercem funções relevantes no Executivo. 

Em troca do favorecimento, os servidores do Estado estariam pagando a esses professores, por meio de contratos fictícios e fraudulentos e também por meio da inserção indevida de professores e parentes em listas de pagamentos de gratificações a ocupantes de funções da Secretaria Estadual de Saúde.

Foram cumpridos 15 mandados de busca e apreensão nas casas de professores do Mestrado em Administração Pública e na casa dos servidores do governo estadual supostamente envolvidos.

Os envolvidos com o esquema podem responder pelos crimes de associação criminosa, peculato, corrupção passiva e inserção de dados falsos em sistema de informação.

Abaixo nota de esclarecimento da reitora da Ufal, Maria Valéria Costa Correia:

Diante da deflagração, na manhã de hoje (11), da operação denominada Sucupira, pela Polícia Federal, responsável por investigar denúncias de um suposto crime de favorecimento relacionado ao Mestrado em Administração Pública, a gestão central da Ufal tem a dizer que:

1. A reitora Valéria Correia, no dia 3 de Abril de 2017, encaminhou à Corregedoria Seccional da UFAL, solicitação para que se investigasse as denúncias sobre irregularidades na gestão do Mestrado Profissional em Administração Pública (PROFIAP);

2. A Corregedoria Seccional da UFAL, na mesma data, instaurou Investigação Preliminar, conforme previsto na Portaria nº 335 da CGU, para que fossem apuradas as denúncias veiculadas na imprensa. Vale dizer que tal procedimento administrativo é sigiloso e visa coletar elementos para subsidiar a decisão de instaurar ou não sindicância ou processo administrativo disciplinar (PAD).

3. A Investigação Preliminar, que prescinde da ampla defesa e do contraditório, tem portanto o objetivo de coletar material probatório que confirme ou não as irregularidades denunciadas. Em caso de confirmação das irregularidades e dos indícios de autoria(s), serão abertos procedimentos administrativos disciplinares, de cunho punitivo, para apuração e, se cabível, aplicação de penalidades ao(s) servidor(es) envolvido(s). Esses procedimentos, ao contrário da Investigação Preliminar, contam com as garantias constitucionais da ampla defesa e do contraditório.

4. As penalidades disciplinares aplicadas pela Administração Pública aos seus servidores vão de advertência a demissão, passando por suspensão e destituição de cargo em comissão ou função comissionada, conforme estabelece o artigo 127 da Lei 8.112/90.

Em tempo, a Universidade se coloca à disposição da Polícia Federal, a partir de suas instâncias competentes, a colaborar no que for necessário para elucidar o caso.

Maceió/AL, 11 de maio de 2017.

Maria Valéria Costa Correia

Reitora

Com assessoria

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247