Operação Taturana: TJ julga parlamentares

Deputados estaduais e ex-deputados, além do Banco Rural S/A, serão julgados pela 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL); ao todo são nove reús na chamada Operação Taturana, já condenados, que terão os seus recursos de apelação analisados; deflagrada em 2007 pela Polícia Federal (PF), a Operação Taturana desmontou uma quadrilha envolvida num desvio milionário dos cofres estaduais através da Assembleia Legislativa; entre os acusados, dois são candidatos a prefeito de Maceió

Deputados estaduais e ex-deputados, além do Banco Rural S/A, serão julgados pela 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL); ao todo são nove reús na chamada Operação Taturana, já condenados, que terão os seus recursos de apelação analisados; deflagrada em 2007 pela Polícia Federal (PF), a Operação Taturana desmontou uma quadrilha envolvida num desvio milionário dos cofres estaduais através da Assembleia Legislativa; entre os acusados, dois são candidatos a prefeito de Maceió
Deputados estaduais e ex-deputados, além do Banco Rural S/A, serão julgados pela 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL); ao todo são nove reús na chamada Operação Taturana, já condenados, que terão os seus recursos de apelação analisados; deflagrada em 2007 pela Polícia Federal (PF), a Operação Taturana desmontou uma quadrilha envolvida num desvio milionário dos cofres estaduais através da Assembleia Legislativa; entre os acusados, dois são candidatos a prefeito de Maceió (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas 247 - Nove réus na chamada Operação Taturana, entre eles deputados estaduais e ex-deputados, além do Banco Rural S/A, devem ter os recursos de apelação julgados nesta quinta-feira, 22, a partir das 9h, pela 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL).

O julgamento pela 3ª Câmara Cível do Tribunal estava marcado para o dia 8 passado, mas foi suspenso porque o desembargador Celyrio Adamastor alegou a impossibilidade de comparecer à sessão por motivo de doença. Após protesto do Ministério Público Estadual (MPE), ficou estabelecido que a sessão será aberta ao público e à imprensa.

Deflagrada em 2007 pela Polícia Federal (PF), a Operação Taturana desmontou uma quadrilha envolvida num desviou milionário dos cofres estaduais através da Assembleia Legislativa. Entre os acusados, dois são candidatos a prefeito de Maceió, os deputados federais Cícero Almeida (PMDB) e Paulo Fernando dos Santos, o Paulão (PT). 

De acordo com material informativo do TJ, o rito do julgamento será o seguinte: o desembargador-relator, Domingos Neto, fará a leitura do relatório, que descreve resumidamente do que se trata a ação e o andamento do processo até o momento. A leitura poderá ser dispensada, se as partes concordarem.

Em seguida, segundo a assessoria do TJ, “um representante do Ministério Público Estadual fará sua sustentação oral, expondo o entendimento do órgão perante o caso. Em seguida, os advogados de defesa de cada apelante farão suas sustentações orais. Os advogados terão, somados, o mesmo tempo que o representante do MP sozinho.

Depois, o desembargador-relator profere o seu voto pela manutenção integral ou parcial da condenação, ou pela absolvição”.

O voto do relator pode ser seguido pelos outros dois desembargadores integrantes da Câmara ou não. Se acharem necessário, podem, inclusive, pedir vistas do processo para analisar melhor o caso, levando o julgamento a ser retomado em outra data. 

Participam do julgamento os desembargadores Domingos Neto (presidente da 3ª Câmara Cível), Celyrio Adamastor e Fernando Tourinho. (O desembargador Fernando Tourinho substitui Alcides Gusmão, integrante da Câmara que está de férias).

Com gazetaweb.com

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247