Organizadas estão proibidas no Rei Pelé

Para o segundo jogo do clássico entre CSA e CRB, em Maceió, nesta quarta-feira (8), as torcidas organizadas estão proibidas de ter acesso ao Estádio Rei Pelé; decisão foi tomada pela Federação Alagoana de Futebol (FAF) para evitar novos confrontos entre os grupos rivais; segurança será reforçada

Para o segundo jogo do clássico entre CSA e CRB, em Maceió, nesta quarta-feira (8), as torcidas organizadas estão proibidas de ter acesso ao Estádio Rei Pelé; decisão foi tomada pela Federação Alagoana de Futebol (FAF) para evitar novos confrontos entre os grupos rivais; segurança será reforçada
Para o segundo jogo do clássico entre CSA e CRB, em Maceió, nesta quarta-feira (8), as torcidas organizadas estão proibidas de ter acesso ao Estádio Rei Pelé; decisão foi tomada pela Federação Alagoana de Futebol (FAF) para evitar novos confrontos entre os grupos rivais; segurança será reforçada (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas247 - As torcidas organizadas estão proibidas de ter acesso ao Estádio Rei Pelé, na partida de volta entre CSA e CRB, marcada para a noite desta quarta-feira. Os torcedores poderão usar camisas dos times e nada além disso. A medida foi tomada pela Federação Alagoana de Futebol (FAF) como estratégia de evitar novos confrontos entre os grupos rivais. Todas as medidas de segurança foram discutidas durante reunião, na manhã desta terça-feira (7), no Quartel do Comando Geral da Polícia Militar de Alagoas. Ao todo, 460 militares estarão mobilizados para o clássico.

Vão atuar 16 oficiais militares, 278 ficarão no policiamento interno (dentro do Trapichão) e 60 no externo. No geral, 338 policiais estarão a pé fazendo o patrulhamento antes e após o jogo. Serão empregadas 18 viaturas, sendo 12 do Batalhão de Polícia de Radiopatrulha (BPRP), três do Batalhão de Policiamento de Trânsito (BPTran), uma do 1º Batalhão, uma do Regimento de Polícia Montada (Cavalaria), além de nove guarnições de Rondas Policiais com Apoio de Motocicletas (Rocam).

O jogo começa às 22h, os portões abrem às 20h e o efetivo militar vai se apresentar às 19h. O bloqueio do trânsito também vai começar às 19h. Nas bilheterias, serão barrados os torcedores que forem identificados como membros das organizadas. Eles estão proibidos de levar bandeiras e instrumentos musicais.

"Estamos tomando as providências. Por um lado é bom que as torcidas não estejam na forma de organizadas, mas, também, dificulta para a polícia a identificação. Elas estão proibidas de usar qualquer coisa que as caracterize, mas não estão proibidas de comprar seu ingresso e ver o jogo". Afirmou o tenente-coronel Marcos Sampaio, comandante de Policiamento da Capital.

"A polícia está preparada, aumentamos o efetivo. A animosidade está muito grande entre as torcidas e, inclusive, já se estuda jogo de uma torcida só". Segundo ele, isso será discutido em outra reunião. Queremos garantir a segurança ao torcedor que vai ao jogo. Não podemos subestimar as torcidas organizadas e sabemos que elas vão ter acesso de uma forma ou de outra. Por isso mesmo, já estudamos que os jogos sejam de uma torcida só", completou o comandante do CPC. Depois dessa partida, azulinos e regatianos só podem se encontrar, de novo, se estiverem na final do Alagoano.

Fim das torcidas

Na avaliação do tenente-coronel, pessoas que vestem camisas de torcidas organizadas e fazem arruaça nas ruas não podem ser considerados ser humanos do bem. "São verdadeiros bandidos infiltrados nas torcidas. São essas pessoas que passam de carro e atiram em um torcedor rival, como o que aconteceu com o torcedor do CRB, no domingo à noite, após o jogo", lembra.

O comandante disse também que desde 2005 se luta para que as organizadas sejam proibidas. "Entramos com uma ação em 2005 para restringir o acesso delas. Está no Tribunal de Justiça e não sabemos porque não foi pra frente", completa.

Com gazetaweb.com

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247