"Ou a gente faz, ou faz", diz Campos sobre economia

O governador de Pernambuco e pré-candidato à Presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, voltou a assestar as baterias contra a política econômica da presidente Dilma Rousseff (PT); de acordo com Campos, é preciso dotar o País de uma nova agenda política e econômica, capaz de inserir o país no mercado global, com melhoria da produtividade da economia, sustentabilidade e investimento em inovação; “Várias reformas estruturais foram sendo adiadas, e agora não tem outro caminho. Ou a gente faz, ou faz”, disse

O governador de Pernambuco e pré-candidato à Presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, voltou a assestar as baterias contra a política econômica da presidente Dilma Rousseff (PT); de acordo com Campos, é preciso dotar o País de uma nova agenda política e econômica, capaz de inserir o país no mercado global, com melhoria da produtividade da economia, sustentabilidade e investimento em inovação; “Várias reformas estruturais foram sendo adiadas, e agora não tem outro caminho. Ou a gente faz, ou faz”, disse
O governador de Pernambuco e pré-candidato à Presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, voltou a assestar as baterias contra a política econômica da presidente Dilma Rousseff (PT); de acordo com Campos, é preciso dotar o País de uma nova agenda política e econômica, capaz de inserir o país no mercado global, com melhoria da produtividade da economia, sustentabilidade e investimento em inovação; “Várias reformas estruturais foram sendo adiadas, e agora não tem outro caminho. Ou a gente faz, ou faz”, disse (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Pernambuco 247 - O governador de Pernambuco e pré-candidato à Presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, voltou a assestar as baterias contra a política econômica da presidente Dilma Rousseff (PT).  De acordo com Campos, é preciso dotar o País de uma nova agenda política e econômica, capaz de inserir o país no mercado global, com melhoria da produtividade da economia, sustentabilidade e investimento em inovação. “Várias reformas estruturais foram sendo adiadas, e agora não tem outro caminho. Ou a gente faz, ou faz”, disse durante evento realizado na sede da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (FIRJAN), nesta segunda-feira (24).

“Hoje o Brasil clama por projeto de crescimento para as próximas décadas, um novo pacto político. O desafio do crescimento é melhorar produtividade da economia e olhar para a qualidade de vida dos brasileiros. Esses dois pilares devem presidir o debate sobre os próximos dez anos”, afirmou o governador na palestra que abriu a série de encontros “Visões de futuro: propostas para o Brasil e para o Rio”, promovidos pela Firjan e que pretende dar espaço para todos os candidatos à Presidência  e também ao Governo do Estado.

 De acordo com Campos, a política econômica brasileira vive uma série de contradições que precisa ser corrigida. “Exportamos minério de ferro, mas importamos trilhos, descobrimos o pré-sal, mas importamos gasolina. Temos que vencer essas contradições para garantir o crescimento”, disse. O socialista ressaltou, ainda, o déficit de US$ 105 bilhões na balança comercial da indústria em 2013, compensado em parte pelo bom desempenho da agricultura brasileira – obtido graças ao desenvolvimento tecnológico do campo.

O governador defendeu que a vanguarda obtida na produção de bens primários também se reflita no desenvolvimento da indústria, para diminuir a dependência da importação de produtos manufaturados.

*Com informações da assessoria de imprensa.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email