Pampulha pode derrubar metade das receitas do Aeroporto de Confins

O pedido feito pela Infraero para ampliar a aviação comercial, com jatos, no Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, poderá derrubar de 8,5% a 51% as receitas da BH Airport, concessionária que administra o aeroporto de Confins, na região metropolitana da capital mineira; os percentuais constam uma nota técnica do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil,

O pedido feito pela Infraero para ampliar a aviação comercial, com jatos, no Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, poderá derrubar de 8,5% a 51% as receitas da BH Airport, concessionária que administra o aeroporto de Confins, na região metropolitana da capital mineira; os percentuais constam uma nota técnica do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil,
O pedido feito pela Infraero para ampliar a aviação comercial, com jatos, no Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, poderá derrubar de 8,5% a 51% as receitas da BH Airport, concessionária que administra o aeroporto de Confins, na região metropolitana da capital mineira; os percentuais constam uma nota técnica do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, (Foto: Leonardo Lucena)

Minas 247 - O pedido feito pela Infraero para ampliar a aviação comercial, com jatos, no Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, poderá derrubar de 8,5% a 51% as receitas da BH Airport, concessionária que administra o aeroporto de Confins, na região metropolitana da capital mineira. Os percentuais constam uma nota técnica do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, obtida pelo Estadão.

A Infraero apresentou, no começo de janeiro, um protocolou no ministério no qual apresenta dados sobre a expansão das operações no aeroporto de Belo Horizonte. No documento, a estatal afirma que a retomada dos voos regulares em Pampulha tem o objetivo de "explorar a infraestrutura disponível, atender à demanda de mercado e promover a auto sustentabilidade do aeroporto e da Infraero".

A concessionária BH Aiport (formada pelo grupo CCR, pela operadora Zurich Airport e pela própria Infraero), venceu, em 2013, o leilão de concessão de Confins, com 66% de ágio. "Isso (a reativação de Pampulha) preocupa muito os acionistas privados, pois não estava na regra do jogo. Quando o leilão foi feito havia um acordo entre os governos federal e estadual de que a vocação de Pampulha era aviação geral e executiva", diz o presidente da BH Airport, Paulo Rangel, conforme relato do Estadão.

Atualmente, a Pampulha tem limitações para operar aeronaves a jato com até 75 assentos. Segundo Rangel, a BH Airport tem trabalhado para transformar Confins num hub de voos domésticos para abastecer os voos internacionais. "Toda malha seria afetada pela decisão de Pampulha, incluindo as conexões", disse.

 

 

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247