Para Luizianne, Brasil deveria ser exemplo de solidariedade para refugiados

Na passagem hoje (20), do Dia Mundial dos Refugiados, a deputada federal Luzianne Lins (PT-CE), defendeu que o Brasil seja "um exemplo de acolhimento e solidariedade para o mundo". O  Brasil abriga, oficialmente, cerca de 9 mil refugiados de 79 nacionalidades. Segundo a deputada, o dia de hoje deve "celebrar a vinda destas pessoas e ajudar a conscientizar todos sobre este ato de humanidade"  

Na passagem hoje (20), do Dia Mundial dos Refugiados, a deputada federal Luzianne Lins (PT-CE), defendeu que o Brasil seja "um exemplo de acolhimento e solidariedade para o mundo". O  Brasil abriga, oficialmente, cerca de 9 mil refugiados de 79 nacionalidades. Segundo a deputada, o dia de hoje deve "celebrar a vinda destas pessoas e ajudar a conscientizar todos sobre este ato de humanidade"
 
Na passagem hoje (20), do Dia Mundial dos Refugiados, a deputada federal Luzianne Lins (PT-CE), defendeu que o Brasil seja "um exemplo de acolhimento e solidariedade para o mundo". O  Brasil abriga, oficialmente, cerca de 9 mil refugiados de 79 nacionalidades. Segundo a deputada, o dia de hoje deve "celebrar a vinda destas pessoas e ajudar a conscientizar todos sobre este ato de humanidade"   (Foto: Fatima 247)

Ceará 247 - Para marcar a passagem hoje, do Dia Mundial dos Refugiados, a deputada federal Luzianne Lins (PT-CE), defendeu que o Brasil seja "um exemplo de acolhimento e solidariedade para o mundo". Segundo a deputada, o dia de hoje deve "celebrar a vinda destas pessoas e ajudar a conscientizar todos sobre este ato de humanidade".

De acordo com o CONARE (Comissão Nacional para Refugiados), o Brasil abriga atualmente cerca de 9 mil refugiados reconhecidos, de 79 nacionalidades distintas. A ONU instituiu, desde o ano 2000, 20 de junho como o Dia Mundial do Refugiado, com o objetivo de consciencializar os governos e as populações para o problema grave dos refugiados.

O refúgio é uma proteção legal que o Brasil oferece a cidadãos que estejam sofrendo perseguição no próprio país por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas. Também pode ser solicitado a quem esteja sujeito a graves violações de direitos humanos.

Ontem (19), a Agência da ONU para Refugiados (Acnur) apresentou o relatório “Tendências Globais”, um levantamento sobre deslocamentos. O estudo aponta que em todo o mundo, o deslocamento forçado causado por guerras, violência e perseguições atingiram, em 2016, o número mais alto já registrado: mais de 65 milhões de pessoas se viram forçadas a deixar seus locais de origem por diferentes tipos de conflitos.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247