Paraopeba tem o maior volume de água em 2 anos

O Sistema Paraopeba, composto pelos reservatórios Rio Manso, Serra Azul e Vargem das Flores, fecha o mês de junho de 2016 com o volume de 162 milhões de metros cúbicos (m3) de água, o que corresponde a quase 59% de sua capacidade máxima; este é o maior índice registrado em dois anos; para se ter uma ideia, no dia 29 de junho de 2014 o Sistema Paraopeba tinha pouco mais de 155 milhões de m3 de água reservada

O Sistema Paraopeba, composto pelos reservatórios Rio Manso, Serra Azul e Vargem das Flores, fecha o mês de junho de 2016 com o volume de 162 milhões de metros cúbicos (m3) de água, o que corresponde a quase 59% de sua capacidade máxima; este é o maior índice registrado em dois anos; para se ter uma ideia, no dia 29 de junho de 2014 o Sistema Paraopeba tinha pouco mais de 155 milhões de m3 de água reservada
O Sistema Paraopeba, composto pelos reservatórios Rio Manso, Serra Azul e Vargem das Flores, fecha o mês de junho de 2016 com o volume de 162 milhões de metros cúbicos (m3) de água, o que corresponde a quase 59% de sua capacidade máxima; este é o maior índice registrado em dois anos; para se ter uma ideia, no dia 29 de junho de 2014 o Sistema Paraopeba tinha pouco mais de 155 milhões de m3 de água reservada (Foto: Leonardo Lucena)

Minas 247 - O Sistema Paraopeba, composto pelos reservatórios Rio Manso, Serra Azul e Vargem das Flores, fecha o mês de junho de 2016 com o volume de 162 milhões de metros cúbicos (m3) de água, o que corresponde a quase 59% de sua capacidade máxima. Este é o maior índice registrado em dois anos. Para se ter uma ideia, no dia 29 de junho de 2014 o Sistema Paraopeba tinha pouco mais de 155 milhões de m3 de água reservada.

De acordo com o governo mineiro, a recuperação do Sistema Paraopeba só foi possível com a entrada em operação da captação de até 5.000 litros de água por segundo no Rio Paraopeba, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), em dezembro de 2015. Desde a inauguração do empreendimento, a Copasa deixou de retirar 40 milhões de m3 de água da barragem do Rio Manso, economizando cerca de 36% da água do reservatório.

“A captação do Rio Paraopeba, cuja realização foi um esforço do Governo de Minas Gerais e da Copasa, foi fundamental para afastar o risco de racionamento na Região Metropolitana de Belo Horizonte e vem contribuindo diretamente para a recuperação dos reservatórios do Sistema Paraopeba”, explica a presidente da companhia, Sinara Meireles.

Mesmo com a garantia de água tratada e de qualidade para os próximos anos, considerando os níveis de consumo históricos da população da RMBH, a Copasa recomenda o uso consciente da água.

Sistema de captação

O empreendimento consiste em bombear até 5.000 litros de água por segundo, captados no Rio Paraopeba através de 6,5 quilômetros de adutora de aço, com diâmetro de 1,5 metro, até a Estação de Tratamento de Água (ETA) do Rio Manso, que pertence ao Sistema Paraopeba.

Na ETA do Rio Manso, a água passa pelos processos de coagulação, floculação, decantação, filtração, cloração e fluoretação. O rigoroso processo de tratamento atende à Portaria 2.914, do Ministério da Saúde, e garante uma água de qualidade.

*Com assessoria

 

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247