Paulistanos consideram cidade insegura para viver

Noventa e três por cento dos paulistanos consideram a metrópole um lugar "pouco seguro ou nada seguro" para se viver, de acordo com dados de um estudo da Rede Nossa SP, em parceria com o Ibope; crimes que mais assustam são: violência em geral, assalto e roubo e tráfico de drogas, nessa ordem

www.brasil247.com - Noventa e três por cento dos paulistanos consideram a metrópole um lugar "pouco seguro ou nada seguro" para se viver, de acordo com dados de um estudo da Rede Nossa SP, em parceria com o Ibope; crimes que mais assustam são: violência em geral, assalto e roubo e tráfico de drogas, nessa ordem
Noventa e três por cento dos paulistanos consideram a metrópole um lugar "pouco seguro ou nada seguro" para se viver, de acordo com dados de um estudo da Rede Nossa SP, em parceria com o Ibope; crimes que mais assustam são: violência em geral, assalto e roubo e tráfico de drogas, nessa ordem (Foto: Gisele Federicce)


Fernanda Cruz - repórter da Agência Brasil

São Paulo - Noventa e três por cento dos paulistanos consideram a metrópole um lugar "pouco seguro ou nada seguro" para se viver, de acordo com dados de um estudo da Rede Nossa SP, em parceria com o Ibope. No ano passado, esse percentual era 91%. Os crimes que mais assustam os paulistanos são: violência em geral, assalto e roubo e tráfico de drogas, nessa ordem.

Entre os entrevistados, 55% disseram que se pudessem mudariam de cidade. Em 2012, o percentual era 56%. O Indicador de Referência de Bem-Estar no Município, Ibem, ficou em 4,8 pontos, em uma escala que vai de zero a dez.

A pesquisa foi feita entre os dias 3 e 23 de dezembro do ano passado com mais de 1,5 mil moradores da capital paulista, com 16 anos de idade ou mais. A margem de erro é 3 pontos percentuais. O estudo abordou 25 temas entre questões objetivas da cidade como saúde, educação, meio ambiente, habitação, trabalho, além de questões subjetivas como sexualidade, espiritualidade, consumo e lazer.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na área de saúde, o tempo de espera pelos serviços, tanto público como privado, caiu. No setor público, o tempo de espera para consultas passou de 66 para 60 dias; para exames, caiu de 86 para 79 dias; e para procedimentos mais complexos passou de 178 para 170. Na rede privada, a queda foi mais significativa, o tempo de espera para consultas reduziu de 16 para 7 dias; para exames, de 20 para 7 dias e para procedimentos complexos, de 44 para 19 dias.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O número de entrevistados que disse ter usado algum tipo de serviço público de saúde no ano passado caiu de 76% para 71%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email