PEC: Protesto paralisa região central de Maceió

Centenas de trabalhadores fizeram uma marcha, pelas ruas do centro de Maceió, contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 55, antiga PEC 241, que tramita no Senado Federal; os manifestantes gritaram palavras de ordem acusando o presidente Michel Temer (PMDB) de golpista e que teria, inclusive, a intenção de retirar direitos trabalhistas; o trânsito não região ficou totalmente congestionado

Centenas de trabalhadores fizeram uma marcha, pelas ruas do centro de Maceió, contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 55, antiga PEC 241, que tramita no Senado Federal; os manifestantes gritaram palavras de ordem acusando o presidente Michel Temer (PMDB) de golpista e que teria, inclusive, a intenção de retirar direitos trabalhistas; o trânsito não região ficou totalmente congestionado
Centenas de trabalhadores fizeram uma marcha, pelas ruas do centro de Maceió, contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 55, antiga PEC 241, que tramita no Senado Federal; os manifestantes gritaram palavras de ordem acusando o presidente Michel Temer (PMDB) de golpista e que teria, inclusive, a intenção de retirar direitos trabalhistas; o trânsito não região ficou totalmente congestionado (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas 247 - Centenas de trabalhadores fizeram uma marcha, pelas ruas do centro de Maceió, na manhã desta sexta-feira (11), e pararam o trânsito na região, gerando um enorme congestionamento na cidade. Eles saíram em caminhada, programada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) em Alagoas, contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 55, antiga PEC 241, que tramita no Senado Federal.

Durante algumas horas, enquanto o ato público e pacífico ocorria, o tráfego na região ficou completamente parado. Da Praça Sinimbu, onde houve concentração nas primeiras horas da manhã, a multidão saiu em marcha pelas principais vias da região central da capital. 

Em frente a Praça dos Martírios, lideranças dos movimentos sociais fizeram uma discussão sobre os efeitos de uma eventual aprovação desta proposta no Congresso Nacional. Eles também fecharam a Rua João Pessoa (antiga Rua do Sol) por alguns minutos.

Ao longo do percurso, os manifestantes gritaram palavras de ordem e acusam o presidente Michel Temer (PMDB) de golpista, que teria, inclusive, a intenção de retirar direitos trabalhistas conquistados há anos no Brasil. 

Os trabalhadores seguravam faixas com mensagens cobrando a manutenção dos investimentos públicos no País e bandeiras de diversos movimentos sociais que atuam em Alagoas. Os condutores foram obrigados a voltar pela contramão e subir pela Ladeira do Brito. 

Cícero Lourenço, diretor da CUT e do Sindprev, afirmou que a PEC 241 (agora 55) representa um retrocesso para o país e ressaltou que os movimentos sociais são contrários à sua aprovação.

Segundo ele, além de achatar os salários dos servidores públicos, a PEC deve dificultar investimentos nas áreas de saúde educação ao longo dos próximos 20 anos.

Lourenço destacou que a manifestação deve durar até as 13h.

Além de integrantes de movimentos sociais, participam da mobilização trabalhadores rurais, estudantes e servidores públicos

Atos semelhantes a esse em Maceió ocorrem simultaneamente em várias partes do Brasil e com o mesmo propósito: resistir à aprovação da conhecida PEC do teto dos gastos. A proposta limitaria os investimentos públicos do governo federal pelos próximos 20 anos.

Com gazetaweb.com

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247