Petrobras envia ajuda para combater incêndio em Santos

Presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, atendeu prontamente pedido do governo de São Paulo e enviou para Santos sete caminhões para lançar espuma na área afetada pelo incêndio nos taques de combustível da Ultracargo, além de dois navios-plataforma, bombas de sucção e mão de obra especializada; combate ao incêndio já consumiu 5 bilhões de litros de água do mar e já atingiu o sexto tanque de combustível. Dos seis, quatro ainda queimam

Presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, atendeu prontamente pedido do governo de São Paulo e enviou para Santos sete caminhões para lançar espuma na área afetada pelo incêndio nos taques de combustível da Ultracargo, além de dois navios-plataforma, bombas de sucção e mão de obra especializada; combate ao incêndio já consumiu 5 bilhões de litros de água do mar e já atingiu o sexto tanque de combustível. Dos seis, quatro ainda queimam
Presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, atendeu prontamente pedido do governo de São Paulo e enviou para Santos sete caminhões para lançar espuma na área afetada pelo incêndio nos taques de combustível da Ultracargo, além de dois navios-plataforma, bombas de sucção e mão de obra especializada; combate ao incêndio já consumiu 5 bilhões de litros de água do mar e já atingiu o sexto tanque de combustível. Dos seis, quatro ainda queimam (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SP 247 - O presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, enviou para Santos sete caminhões equipados para lançar espuma na área afetada pelo incêndio nos taques de combustível da Ultracargo. Deles, quatro já operavam nesse sábado, 4. Além deles, estatal também enviou dois navios-plataforma; bombas de sucção; e mão de obra especializada.

O pedido de ajuda da Petrobras para controlar o incêncio que entrou no quarto dia foi feito pelo prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), e pelo governo de São Paulo. O combate ao incêndio já consumiu 5 bilhões de litros de água do mar e já atingiu o sexto tanque de combustível. Dos seis, quatro ainda queimam.

Existem quatro tanques que inspiram maior preocupação. Três guardam um tipo de resina que, além de tóxica, possui alto grau de combustão. Os técnicos conseguiram injetar nesses tanques um produto que elimina o risco de explosão. Em linguagem técnica, o produto químico foi "inertizado". Ainda assim, conforme relato ouvido pelo blog de Josias de Souza, pode liberar gases tóxicos se pegar fogo. Se inalados, podem provocar, por exemplo, náuseas, tontura e dor de cabeça.

O gabinete de crise marcou para o final da manhã deste domingo uma segunda reunião para avaliar a efetividade das últimas decisões. Além do prefeito Paulo Barbosa e do vice-governador Márcio França, integram o grupo os secretários de Estado Saulo de Castro (Governo), José Roberto Rodrigues de Oliveira (Casa Militar), Alexandre de Moraes (Segurança Pública) e Patrícia Iglecias (Meio Ambiente); o comandante do Corpo de Bombeiros Marco Aurélio Alves Pinto; e o subsecretário de Comunicação do Palácio dos Bandeirantes, Marcio Aith.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247