PF apreende papéis com citação a Temer na Rodrimar

A Operação Skala, deflagrada na última quinta, rendeu ainda mais provas contra Michel Temer e seu principal operador, o coronel da reserva José Baptista Lima Filho, conhecido como coronel Lima; a Polícia Federal apreendeu na sede da Rodrimar —empresa que teria sido beneficiada por decreto presidencial comprado— folhas de papel com citações a Temer e à empresa Argeplan, que pertence ao coronel Lima; o dono da Rodrimar, Antonio Celso Grecco, e Lima foram presos; operação deve resultar na terceira denúncia da PGR contra Michel Temer

PF apreende papéis com citação a Temer na Rodrimar
PF apreende papéis com citação a Temer na Rodrimar
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SP 247 - A Polícia Federal apreendeu, na sede da Rodrimar, folhas de papel com citação a Michel Temer (MDB) e à empresa Argeplan, controlada pelo coronel da PM José Baptista Lima Filho, conhecido como coronel Lima, amigo do emedebista. A Rodrimar foi alvo de buscas da Operação Skala, deflagrada nesta quinta-feira, 29, por ordem do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo. O dono da empresa, Antonio Celso Grecco, e o coronel Lima foram presos.

A Skala investiga supostos benefícios à empresa Rodrimar na edição do decreto voltado ao setor portuário. Michel Temer (MBD) é um dos alvos do inquérito.

O item número 7 se refere à Argeplan. “Uma folha de papel contendo relação de empresas, entre elas, Argeplan Arquitetura e Engenharia LTDA (encontrado no quarto andar – setor jurídico)”, relatou a PF.

O nome de presidente é citado no item 20. “Uma folha de papel contendo o nome de várias empresas e pessoas físicas, incluindo Michel Temer (encontrada na sala do gerente Willy Maxell, quinto andar).”

Coronel Lima é um nome emblemático da Operação Skala, muito ligado a Temer desde os anos 1980 e 1990, quando o presidente exerceu o cargo de secretário da Segurança Pública de São Paulo (Governos Montoro e Fleury Filho).

Ao autorizar a Operação Skala, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso registrou que, para a Polícia Federal, a empresa Argeplan “tem se capitalizado” com recursos de empresas interessadas na edição do Decreto dos Portos e distribuído tais recursos para os demais investigados.

As informações são de reportagem de Julia Affonso no Estado de S.Paulo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247