PF desarticula fraudadores de concursos

A Polícia Federal (PF) deflagrou em vários estados, - incluindo Alagoas, onde ficaria o núcleo da quadrilha - a “Operação Afronta”, que tem o objetivo de desarticular uma organização criminosa estruturada para fraudar concursos públicos em todo o território nacional, especialmente os realizados pelo Poder Judiciário; estão sendo cumpridos, em  cinco estados, 14 mandados de prisão temporária e outros 19 de busca e apreensão

A Polícia Federal (PF) deflagrou em vários estados, - incluindo Alagoas, onde ficaria o núcleo da quadrilha - a “Operação Afronta”, que tem o objetivo de desarticular uma organização criminosa estruturada para fraudar concursos públicos em todo o território nacional, especialmente os realizados pelo Poder Judiciário; estão sendo cumpridos, em  cinco estados, 14 mandados de prisão temporária e outros 19 de busca e apreensão
A Polícia Federal (PF) deflagrou em vários estados, - incluindo Alagoas, onde ficaria o núcleo da quadrilha - a “Operação Afronta”, que tem o objetivo de desarticular uma organização criminosa estruturada para fraudar concursos públicos em todo o território nacional, especialmente os realizados pelo Poder Judiciário; estão sendo cumpridos, em  cinco estados, 14 mandados de prisão temporária e outros 19 de busca e apreensão (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas247 - A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta quarta-feira (21), em Alagoas e nos estados de São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro e Rondônia, a "Operação Afronta", que tem o objetivo de desarticular uma organização criminosa estruturada para fraudar concursos públicos, em especial os realizados pelo Poder Judiciário, em todo o território nacional. Em Alagoas, a operação acontece em Maceió e em União dos Palmares.

De acordo com informações da PF, no total estão sendo cumpridos, nos cinco estados, 14 mandados de prisão temporária e outros 19 de busca e apreensão. Pelo menos quatro pessoas já foram presas. O núcleo da quadrilha ficaria em Alagoas.

A investigação foi desenvolvida pela Delegacia de Polícia Federal em Sorocaba-SP. A fraude foi detectada pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região, que encontrou irregularidades no último concurso para os cargos de Analista Judiciário e Técnico Judiciário e encaminhou os documentos à PF, para instauração de inquérito. Os candidatos suspeitos tinham feito a prova em Sorocaba.

A investigação apurou que a fraude acontece da seguinte forma: os líderes da organização monitoram a publicação de editais de concursos públicos. Depois de publicado o edital, são inscritos no exame os candidatos interessados em ingressar na carreira mediante fraude e também os chamados "pilotos", membros da quadrilha que se inscrevem no certame para fotografar o caderno de questões com microcâmeras durante a prova.

No dia do exame, após fotografarem as questões e ter decorrido o tempo de permanência em sala de aula, geralmente de uma hora, os "pilotos" saem do local da prova e repassam as fotos das folhas de questões ao líder da organização. As respostas, por sua vez, são repassadas aos candidatos por meio de ponto eletrônico.

Os candidatos pagam à organização criminosa dez vezes o valor do salário do cargo pretendido pelas respostas da prova. Os investigados responderão, de acordo com a participação, pelos crimes de organização criminosa e fraude em certames de interesse público.

Com gazetaweb.com

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247