PF investiga exploração de diamantes em MG e mais nove estados

De acordo com a polícia, uma organização criminosa formada por empresários, garimpeiros, comerciantes e indígenas era responsável pelo financiamento e promoção da exploração irregular de diamantes; Os acusados irão responder pelos crimes de extração de recursos minerais sem autorização, dano a unidade de conservação, usurpação de bem da união, receptação, organização criminosa, associação criminosa e lavagem de dinheiro

De acordo com a polícia, uma organização criminosa formada por empresários, garimpeiros, comerciantes e indígenas era responsável pelo financiamento e promoção da exploração irregular de diamantes; Os acusados irão responder pelos crimes de extração de recursos minerais sem autorização, dano a unidade de conservação, usurpação de bem da união, receptação, organização criminosa, associação criminosa e lavagem de dinheiro
De acordo com a polícia, uma organização criminosa formada por empresários, garimpeiros, comerciantes e indígenas era responsável pelo financiamento e promoção da exploração irregular de diamantes; Os acusados irão responder pelos crimes de extração de recursos minerais sem autorização, dano a unidade de conservação, usurpação de bem da união, receptação, organização criminosa, associação criminosa e lavagem de dinheiro (Foto: Luis Mauro Queiroz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Reuters) - A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira operação em desdobramento da Lava Jato para combater a extração e comercialização ilegal de diamantes em terras indígenas em Rondônia, com cumprimento de mandados no Distrito Federal e mais nove Estados, informou a PF.

Segundo comunicado da polícia, foram expedidos 90 mandados, incluindi 11 de prisão preventiva e 41 de busca e apreensão, no DF, Rondônia, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Rio Grande do Sul, Bahia, Mato Grosso e Pará.

A operação foi realizada a partir de informações da atuação do doleiro Habib Chater, preso em 2014 pela Lava Jato, segundo reportagens. O doleiro era dono de um posto de gasolina em Brasília usado para lavagem de dinheiro e pagamento de propinas, alvo das investigações da PF que deram origem à Lava Jato.

A PF disse que não revelaria a identidade dos suspeitos da operação de combate à exploração de diamantes para não comprometer as investigações.

De acordo com a polícia, uma organização criminosa formada por empresários, garimpeiros, comerciantes e indígenas era responsável pelo financiamento e promoção da exploração irregular de diamantes. Os acusados irão responder pelos crimes de extração de recursos minerais sem autorização, dano a unidade de conservação, usurpação de bem da união, receptação, organização criminosa, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

A operação Lava Jato investiga um dos maiores esquemas de corrupção no país, que envolve a Petrobras e já levou para a prisão ex-diretores da estatal, empreiteiros e políticos.

 

(Por Caio Saad, no Rio de Janeiro)

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email