PF já investiga propinas de R$ 52 mi no metrô paulista

Valores teriam sido pagos por empresas como Alstom, Bombardier e Tejofran a empresas de consultoria usadas para recolher recursos para funcionários e políticos do PSDB; implantado na gestão Mario Covas, o esquema teria continuado nos governos de José Serra e Geraldo Alckmin; peça central do esquema, consultor Jorge Fagali Neto teve US$ 6,5 milhões bloqueados na Suíça

Valores teriam sido pagos por empresas como Alstom, Bombardier e Tejofran a empresas de consultoria usadas para recolher recursos para funcionários e políticos do PSDB; implantado na gestão Mario Covas, o esquema teria continuado nos governos de José Serra e Geraldo Alckmin; peça central do esquema, consultor Jorge Fagali Neto teve US$ 6,5 milhões bloqueados na Suíça
Valores teriam sido pagos por empresas como Alstom, Bombardier e Tejofran a empresas de consultoria usadas para recolher recursos para funcionários e políticos do PSDB; implantado na gestão Mario Covas, o esquema teria continuado nos governos de José Serra e Geraldo Alckmin; peça central do esquema, consultor Jorge Fagali Neto teve US$ 6,5 milhões bloqueados na Suíça (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - A Polícia Federal está cada vez mais perto de desvendar o esquema de desvio de recursos do metrô paulista, usado para abastecer o caixa de campanhas políticas do PSDB em São Paulo.

Reportagem dos jornalistas Flávio Ferreira, Mario Cesar Carvalho e José Ernesto Credendio (leia aqui) aponta propinas de R$ 52 milhões, que teriam sido pagas a consultorias pelas empresas envolvidas no cartel dos trens.

De acordo com a Polícia Federal, Alstom, Siemens, Bombardier e Tejofran teriam repassado esses valores para empresas ligadas aos irmãos Fagali, arrecadadores de campanha do PSDB, a Robson Marinho, ex-secretário da Casa Civil de Mário Covas, e Romeu Pinto Jr., outro empresário ligado aos tucanos.

Um dos alvos principais da investigação é a consultoria MCA, de Pinto Jr., que recebeu R$ 45,7 milhões da Alstom, em recursos depositados no Brasil e na Suíça. Depois disso, o dinheiro ou foi sacado em espécie ou movimentado por doleiros, sem que se possa determinar o destino. Outras consultorias investigadas são a ENV e a Acqua-Lux.

PUBLICIDADE

Outra empresa citada no cartel, a Tejofran, que despontou durante o governo Mario Covas, pagou R$ 1,5 milhão à consultoria BJG, que era controlada pelo ex-secretário estadual de transportes, José Fagali Neto. Próximo a José Serra, ele é investigado desde 2008, quando foram descobertos pagamentos de US$ 6,5 milhões na Suíça – os recursos estão bloqueados por determinação judicial.

O advogado Belisário dos Santos Jr., que defende Fagali Neto, argumenta que ele poderá comprovar que prestou serviços de consultoria.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email