PF libera 15 acusados por fraude na merenda

Acusados de fraudar a compra de alimentos com recursos do governo federal em Alagoas deixaram a carceragem da Polícia Federal em Maceió; liberação ocorreu porque a PF não pediu a prorrogação das prisões temporárias; os acusados foram presos na semana passada durante a Operação Farnel

Acusados de fraudar a compra de alimentos com recursos do governo federal em Alagoas deixaram a carceragem da Polícia Federal em Maceió; liberação ocorreu porque a PF não pediu a prorrogação das prisões temporárias; os acusados foram presos na semana passada durante a Operação Farnel
Acusados de fraudar a compra de alimentos com recursos do governo federal em Alagoas deixaram a carceragem da Polícia Federal em Maceió; liberação ocorreu porque a PF não pediu a prorrogação das prisões temporárias; os acusados foram presos na semana passada durante a Operação Farnel (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas247 - Os agentes plantonistas da Polícia Federal (PF) liberaram, à 0h16 desta terça-feira (16), os 15 acusados de fraudar a compra de alimentos com repasses do governo federal. O delegado Adriano Moreira, que esteve em Alagoas realizando as diligências da Operação Farnel, desencadeada na semana passada, não solicitou a prorrogação das prisões temporárias. Segundo a PF, os recursos desviados são do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

A operação teve como objetivo desarticular um esquema criminoso de fraude na aquisição de merenda escolar e outros produtos, crimes que vinham ocorrendo em escolas públicas em municípios do interior.

O inquérito policial foi instaurado pela Polícia Federal em 2012, em razão da notícia de possível fracionamento de despesas como forma de obtenção de dispensa em licitações e fraude, mediante ajuste, para beneficiar algumas empresas fornecedoras de gêneros alimentícios.

Com o aprofundamento das investigações, verificou-se também a utilização de recursos do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), bem como a atuação de uma empresa fornecedora de merenda escolar que, visando fraudar a licitação devida, já apresentava ao diretor da escola as planilhas com as cotações de preços das empresas concorrentes. Os policiais federais constataram que as empresas concorrentes não existiam ou estavam em nome de "laranjas" e que o esquema fraudulento alcançava diversas escolas do Estado de Alagoas.

Os contratos e as prestações de conta das escolas públicas suspeitas de participação no esquema foram analisados pela Controladoria Geral da União, que detectou superfaturamento de 10% nos valores pagos. Ainda segunda a PF, a interceptação telefônica dos suspeitos demonstrou que os gestores das escolas investigadas recebiam propina dos donos das empresas, aceitando a fraude.

Com gazetaweb.com

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247