PGE economiza quase R$ 1 bi para o Estado no primeiro trimestre

A Procuradoria-Geral do Estado de Goiás (PGE) economizou, nos três primeiros meses deste ano, por meio da Procuradoria Judicial (PJ), mais de R$ 703 milhões em ações judiciais para o governo do Estado; foram R$ 658 milhões com a vitória na ação coletiva proposta pela Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros de Goiás e R$ 46,1 milhões provenientes de outros núcleos da PGE

justiça
justiça (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - A Procuradoria-Geral do Estado de Goiás (PGE) economizou, nos três primeiros meses deste ano, por meio da Procuradoria Judicial (PJ), mais de R$ 703 milhões em ações judiciais para o governo do Estado. Foram R$ 658 milhões com a vitória na ação coletiva proposta pela Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros de Goiás e R$ 46,1 milhões provenientes de outros núcleos da PGE.

Apesar de alto, o valor deixa de fora outras importantes conquistas da PJ, que não podem ser quantificadas em número, como a vitória no caso do Hospital de Urgências da Região Sudoeste (Hurso), que teve suspenso o chamamento público para formalização do contrato de gestão do hospital, e ações do Núcleo de Concursos, que garantiram o funcionamento de certames do Estado.

O procurador Alexandre Gross atribui a economia à atuação planejada e pró-ativa do Núcleo de Ações Estratégicas da PJ. “Essa atuação possibilitou a reversão de um julgamento que significou uma economia milionária para o erário”, afirma.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email