Piauí é um dos cinco estados brasileiros com superávit

Ao lado de Maranhão, Ceará, Alagoas e Paraná, o Piauí está entre os cinco estados brasileiros que foram capazes de melhorar sua situação fiscal; segundo estudo do economista Raul Veloso, o déficit do estado caiu de 85% para 45% da receita estadual

O governador do Piauí, Wellington Dias, participa de debate sobre energia eólica no país, durante a 6ª edição do Brazil Windpower (Fernando Frazão/Agência Brasil)
O governador do Piauí, Wellington Dias, participa de debate sobre energia eólica no país, durante a 6ª edição do Brazil Windpower (Fernando Frazão/Agência Brasil) (Foto: Charles Nisz)

Pablo Cavalcanti - De acordo com o levantamento realizado pelo economista Raul Velloso, o Piauí está entre os cincos estados brasileiros que foram capazes de melhorar sua situação fiscal nos últimos três anos. Ao lado de Maranhão, Ceará, Paraná e Alagoas, estado saiu de um cenário de déficit financeiro para um contexto de contas equilibradas e manutenção de investimentos. “Um esforço para manutenção das receitas deve ter sido realizado para que esses estados tenham melhorado, assim como um trabalho para a contenção de gastos e boa gestão de recursos”, explica o especialista.

De fato, nos últimos três anos, o Piauí adotou um modelo de política fiscal que possibilitou um maior controle de gastos e incremento nas receitas do Estado. Quanto à redução de gastos, o Governo lançou, em março de 2017, o decreto 17.074, que prevê uma queda de, no mínimo, 10% nas despesas essenciais, 20% nas contratuais obrigatórias, 25% nas despesas contratuais discricionárias e 30% nas despesas não contratuais discricionárias.

Além disso, o trabalho intensivo da Comissão de Gestão Financeira, que funciona em parceria com as secretarias de Estado do Planejamento, Administração, Governo, além da Procuradoria Geral do Estado (PGE) e Controladoria Geral do Estado (CGE), possibilitou um melhor planejamento para eleger as prioridades de pagamentos.

“Para 2018, tomamos mais medidas que irão repercutir nesse fluxo, como o realinhamento de algumas alíquotas do ICMS. Estamos tentando algumas medidas para reduzir o impacto da ineficiência previdenciária, receitas extraordinárias, como novas operações de crédito, para podermos tocar as obras e o Tesouro Estadual poder ficar mais direcionado para a folha de custeio”, destaca o secretário de Estado da Fazenda, Rafael Fonteles.

O trabalho trouxe o Piauí ao seu menor índice de endividamento da história. Os dividendos do Estado, que já chegaram a 85% (tamanho da dívida que o Estado tem em relação à receita corrente líquida), registrou patamares de 45%. 

Apenas em 2017, foram economizados cerca de R$ 177.410.147,22 em contratações de despesas correntes e cerca de R$ 16 milhões com o custeio da máquina pública.

O crescimento na arrecadação média (cerca de 10% de janeiro a novembro de 2017), somados a operações de créditos, possibilitaram a manutenção de investimentos. Mais de R$ 300 milhões foram aplicados em obras e equipamentos nas áreas de saúde, educação, desenvolvimento rural, gestão de recursos hídricos, meio ambiente, gestão pública e gestão de gastos em 2017.

“É importante destacar que o Governo foi capaz de tomar medidas, até mesmo impopulares, para diminuir o déficit fiscal. Ainda precisamos tomar outras medidas, porque ainda não estamos em uma situação absolutamente confortável”, alerta Rafael Fonteles.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247.Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247