Plano Nacional de Segurança será antecipado no Estado

Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, anunciou a antecipação das ações de combate à criminalidade previstas no Plano Nacional de Segurança Pública, no Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte - estados onde a violência resultou no uso da Força Nacional de Segurança para ajudar no combate ao crime; crise na área de segurança tem levado a um aumento no número de ocorrências e a falta de vagas em presídios resultou na detençõa de suspeitos em viaturas e até algemados em lixeiras nas calçadas

Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, anunciou a antecipação das ações de combate à criminalidade previstas no Plano Nacional de Segurança Pública, no Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte - estados onde a violência resultou no uso da Força Nacional de Segurança para ajudar no combate ao crime; crise na área de segurança tem levado a um aumento no número de ocorrências e a falta de vagas em presídios resultou na detençõa de suspeitos em viaturas e até algemados em lixeiras nas calçadas
Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, anunciou a antecipação das ações de combate à criminalidade previstas no Plano Nacional de Segurança Pública, no Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte - estados onde a violência resultou no uso da Força Nacional de Segurança para ajudar no combate ao crime; crise na área de segurança tem levado a um aumento no número de ocorrências e a falta de vagas em presídios resultou na detençõa de suspeitos em viaturas e até algemados em lixeiras nas calçadas (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Daniel Isaia, repórter da Agência Brasil - Ações de combate à criminalidade, previstas no Plano Nacional de Segurança Pública, devem ser antecipadas em dezembro no Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte - estados onde a crise de violência levou o governo federal a autorizar a presença de agentes da Força Nacional de Segurança para ajudar no combate ao crime. O ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, anunciou nesta semana que o Plano Nacional de Segurança Pública vai começar a ser implantado a partir do ano que vem.

Em terras gaúchas, a violência foi o assunto mais debatido entre os candidatos das maiores cidades do estado nas eleições deste ano. A preocupação dos cidadãos com o tema pode ser explicada a partir de uma comparação entre o primeiro semestre de 2015 e o mesmo período de 2016. Os dados mostram crescimento significativo da ocorrência de crimes como roubo (de 37.124 para 44.390 casos), roubo de veículo (de 7.930 para 9.225 casos) e latrocínio (de 66 para 89 casos), segundo números da Secretaria de Segurança Pública.

O auge da crise de violência no estado ocorreu no fim de agosto deste ano, quando uma sequência de crimes com morte na região metropolitana de Porto Alegre levou o então secretário de Segurança Pública do estado, Wantuir Jacini, a pedir exoneração do cargo. Nos dias que antecederam a saída de Jacini, uma médica foi assassinada na capital, um triplo homicídio ocorreu em Alvorada e um homem foi executado no Hospital São Lucas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

No dia seguinte ao pedido de demissão do secretário, o governador José Ivo Sartori foi a Brasília se encontrar com o presidente Michel Temer (na época, interino) e com o ministro Alexandre de Moraes. Na reunião, foi autorizado o envio de 136 homens da Força Nacional de Segurança para atuar no combate à violência em Porto Alegre.

O secretário de Segurança Pública, Cezar Schirmer, que assumiu o cargo no lugar de Jacini, passou os últimos dias negociando com o governo federal a prorrogação da permanência da Força Nacional. O pedido foi aprovado - a medida foi publicada nessa quinta-feira (10) no Diário Oficial da União e estende o prazo por mais 90 dias.

O próximo desafio de Schirmer é resolver a superlotação das carceragens das delegacias no estado. O problema estourou em outubro, quando começaram a ser registrados casos em que agentes da Brigada Militar precisaram manter presos em viaturas por falta de vagas nas unidades da Polícia Civil. Ontem, dois homens chegaram a ser algemados a uma lixeira na calçada em frente ao Palácio da Polícia, em Porto Alegre.

Diante dessa situação, a secretaria anunciou esta semana a construção de centros de triagem (CT) para a alocação de presos provisórios. Quatro CTs serão implantados em Porto Alegre e outro ficará em Charqueadas, na região metropolitana, anexo à Penitenciária Modulada Estadual. "Queremos e precisamos desafogar as delegacias e devolver os policiais às suas atividades", disse o secretário.

Com urgência em resolver o problema, Schirmer negocia com o governo federal a possibilidade de utilizar mão de obra do Exército Brasileiro para acelerar a construção dos CTs. "Estamos em diálogo avançado. Ontem, técnicos do Exército analisaram as estruturas existentes em Porto Alegre", afirmou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247