PM-SP tenta arrancar à força celular de repórter do Jornalistas Livres

Grupo Jornalistas Livres informou que, enquanto transmitia pelo Facebook o protesto contra Michel Temer na Avenida Paulista, o sargento Freitas tentou arrancar à força o celular da repórter Katia Passos durante a filmagem; "Felizmente ele não conseguiu, mas houve luta corporal com a jornalista", diz o grupo; após a PM deter uma vendedora ambulante, que resistiu e levou spray de pimenta no rosto, o grupo bateu duro na PM-SP: "é uma vergonha"; "Covardes machistas, batem em mulher que vendia cerveja e agridem manifestantes que tentavam defendê-la", disparou; "O Governador Geraldo Alckmin nos deve explicações"; veja o vídeo com a truculência da PM-SP

Grupo Jornalistas Livres informou que, enquanto transmitia pelo Facebook o protesto contra Michel Temer na Avenida Paulista, o sargento Freitas tentou arrancar à força o celular da repórter Katia Passos durante a filmagem; "Felizmente ele não conseguiu, mas houve luta corporal com a jornalista", diz o grupo; após a PM deter uma vendedora ambulante, que resistiu e levou spray de pimenta no rosto, o grupo bateu duro na PM-SP: "é uma vergonha"; "Covardes machistas, batem em mulher que vendia cerveja e agridem manifestantes que tentavam defendê-la", disparou; "O Governador Geraldo Alckmin nos deve explicações"; veja o vídeo com a truculência da PM-SP
Grupo Jornalistas Livres informou que, enquanto transmitia pelo Facebook o protesto contra Michel Temer na Avenida Paulista, o sargento Freitas tentou arrancar à força o celular da repórter Katia Passos durante a filmagem; "Felizmente ele não conseguiu, mas houve luta corporal com a jornalista", diz o grupo; após a PM deter uma vendedora ambulante, que resistiu e levou spray de pimenta no rosto, o grupo bateu duro na PM-SP: "é uma vergonha"; "Covardes machistas, batem em mulher que vendia cerveja e agridem manifestantes que tentavam defendê-la", disparou; "O Governador Geraldo Alckmin nos deve explicações"; veja o vídeo com a truculência da PM-SP (Foto: Leonardo Lucena)

SP 247 - O grupo Jornalistas Livres informou que, enquanto transmitia pelo Facebook o protesto contra Michel Temer na Avenida Paulista (SP), o sargento Freitas, da Polícia Militar, tentou arrancar à força o celular da repórter Katia Passos durante a filmagem. 

"Felizmente ele não conseguiu, mas houve luta corporal com a jornalista. Ela segurava o aparelho com firmeza o que dificultou a ação da PM", diz o grupo em seu Facebook. 

O confronto entre manifestantes e policias começou por volta das 16h30, quando os militares foram deter uma vendedora ambulante. Como ela resistiu, Pms jogaram spray de pimenta, o que deixou manifestantes revoltados. Para o Jornalistas Livres, "a Polícia Militar de São Paulo é uma vergonha". "Covardes machistas, batem em mulher que vendia cerveja e agridem manifestantes que tentavam defendê-la", disse.

Ainda segundo o Jornalistas Livres, "os soldados da PM não têm nada a ver com o controle de vendedores ambulantes na cidade – isso é atribuição da Guarda Civil Metropolitana". "Mas, para provocar os manifestantes que estavam protestando pacificamente na avenida Paulista contra o Presidente Golpista neste domingo, um grupo de soldados agiu abusivamente contra uma vendedora ambulante, jogando-a no chão e confiscando sua mercadoria – algumas poucas latas de cerveja", disse.

O grupo afirmou que "a mulher não oferecia risco algum, não estava armada e nada ostentava de ameaçador. Quando Eduardo Suplicy (PT), acompanhado de Jamil Murad (PCdoB), exigiu o fim da agressão gratuita, os PMs lançaram-se, com cassetetes e spray de pimenta, contra os manifestantes em volta".

"O que será que um soldado desses conta para o filho sobre seu dia de trabalho, quando chega em casa?", questionou. "Hoje papai bateu numa mulher pobre que vendia cerveja na Avenida Paulista durante a manifestação contra o Temer. O Governador Geraldo Alckmin nos deve explicações. Qual o motivo de tamanha covardia e qual a intenção de provocar os manifestantes?". 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247