PMA despeja moradores do bairro Santa Maria

Cerca de 40 famílias moravam em barracos no local, que estava ocupado irregularmente e pertence à Prefeitura de Aracaju; segundo o jornal O Dia, durante a reintegração de posse houve confronto, desentendimento entre os moradores e as autoridades; alegando não ter outro local para morar, muitos criticaram a administração municipal quanto uma possível desassistência social

Cerca de 40 famílias moravam em barracos no local, que estava ocupado irregularmente e pertence à Prefeitura de Aracaju; segundo o jornal O Dia, durante a reintegração de posse houve confronto, desentendimento entre os moradores e as autoridades; alegando não ter outro local para morar, muitos criticaram a administração municipal quanto uma possível desassistência social
Cerca de 40 famílias moravam em barracos no local, que estava ocupado irregularmente e pertence à Prefeitura de Aracaju; segundo o jornal O Dia, durante a reintegração de posse houve confronto, desentendimento entre os moradores e as autoridades; alegando não ter outro local para morar, muitos criticaram a administração municipal quanto uma possível desassistência social (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sergipe 247 – Policiais Militares, agentes da Guarda Municipal e funcionários da Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb) despejaram nesse sábado, 22, cerca de 40 famílias que moravam em barracos no bairro Santa Maria. A área estava ocupada irregularmente e pertence à Prefeitura de Aracaju.

Segundo o jornal O Dia, durante a reintegração de posse houve confronto, desentendimento entre os moradores e as autoridades. Alegando não ter outro local para morar, muitos criticaram a administração municipal quanto uma possível desassistência social.

Enquanto muitos moradores tentavam a todo custo evitar o processo de desmoronamento dos barracos, outras famílias aproveitavam o conflito e desatenção dos policiais para reerguer palafitas que já haviam sido derrubadas na tarde da última quinta-feira, 20. Sem receber auxílio moradia ou casas populares de forma temporária, as mais de 200 pessoas garantiram que não iriam deixar o espaço em decorrência de promessas feitas pela atual administração municipal no ano passado quando mais de 450 pessoas foram retiradas do bairro 17 de Março.

Conforme o jornal O Dia, desempregada e avó de seis netos, Naira Farias dos Santos disse que as promessas feitas no ano passado pelos órgãos da prefeitura não foram cumpridas e por isso as pessoas decidiram invadir a área. "A gente preencheu uns documentos que eles mesmos fizeram lá e até agora nada de bom foi repassado pra gente. Por isso que faz mais de oito meses que estamos aqui. Se a gente não tem pra onde ir, o jeito é brigar pra continuar morando aqui", disse. Durante o diálogo, os habitantes disseram que iriam retirar os respectivos pertences de dentro dos barracos, mas que futuramente iriam retornar para o local.

Alguns moradores garantiram que iriam retornar o mais breve possível para o terreno desocupado. "Nossa situação era complicada e que era a prefeitura derrubando os barracos e a gente montando outra vez. Se a gente não tem para onde ir, o jeito é ficar nessa briga de cão e gato mesmo", disse a aposentada Eliane Alves dos Santos.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email