Policiais civis liberam caminhões de combustível

Em assembleia, os grevistas da polícia civil de Alagoas decidiram liberar apenas a entrada e saída dos caminhões carregados com combustíveis no Porto de Maceió, onde estão acampados desde o início da semana; categoria não aceitou a proposta do governo de piso salarial de R$ 3.600 a partir de agosto, com o orçamento destinado ao pagamento de retroativos acrescido em R$ 100 mil ao mês, além da implantação de todas as progressões até o mês de dezembro

Em assembleia, os grevistas da polícia civil de Alagoas decidiram liberar apenas a entrada e saída dos caminhões carregados com combustíveis no Porto de Maceió, onde estão acampados desde o início da semana; categoria não aceitou a proposta do governo de piso salarial de R$ 3.600 a partir de agosto, com o orçamento destinado ao pagamento de retroativos acrescido em R$ 100 mil ao mês, além da implantação de todas as progressões até o mês de dezembro
Em assembleia, os grevistas da polícia civil de Alagoas decidiram liberar apenas a entrada e saída dos caminhões carregados com combustíveis no Porto de Maceió, onde estão acampados desde o início da semana; categoria não aceitou a proposta do governo de piso salarial de R$ 3.600 a partir de agosto, com o orçamento destinado ao pagamento de retroativos acrescido em R$ 100 mil ao mês, além da implantação de todas as progressões até o mês de dezembro (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas 247 - Os policiais civis voltaram a se reunir em assembleia, nesta sexta-feira (29), e decidiram e liberar a entrada e saída dos caminhões carregados com combustíveis no Porto de Maceió, em Jaraguá, onde os grevistas seguem acampados desde a última terça-feira. Na oportunidade, os servidores - que apresentaram pauta de reivindicações ao governo estadual contendo 23 itens - também concordaram em autorizar o Sindicado dos Agentes de Polícia Civil de Alagoas (Sindpol) a apresentar a contraproposta do piso de R$ 5,5 mil.

De acordo com a assessoria do Sindpol, a  nova reunião com o governo acontece hoje (29), envolvendo os secretários de Segurança Pública, Lima Júnior, e de Planejamento e Gestão, Christian Teixeira - o encontro será na sede da Escola Superior de Magistratura (Esmal), no bairro do Farol. 

Na quinta-feira (28), a categoria não aceitou a proposta de negociação do piso salarial de R$ 3.600 a partir do mês de agosto, com o orçamento destinado ao pagamento de retroativos acrescido em R$ 100 mil ao mês, além da implantação de todas as progressões até o mês de dezembro. 

Para os policiais civis, a proposta apresentada pelo Executivo não contempla a pauta de reivindicações da categoria. Em audiência na noite dessa quinta-feira, o presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), desembargador Washington Luiz, disse que irá homologar a proposta do governo com retroativo a agosto, na reunião marcada com os secretários de Segurança Pública e de Planejamento e Gestão.

Devido ao protesto que ignora decisão judicial pela reintegração de posse - com previsão, inclusive, de multa diária de R$ 10 mil em desfavor do sindicato -, alguns postos de combustíveis da capital já registram desabastecimento. Os condutores de caminhões estacionados ao longo da Avenida da Paz, por sua vez, seguem impedidos de acessar o porto enquanto não houver uma sinalização positiva, por parte do governo, às exigência da categoria.

Já funcionários do Porto de Jaraguá, igualmente impedidos de trabalhar, também se queixam de prejuízos com a manifestação, pois, muitos deles são remunerados por produção.

Por meio de nota à imprensa, o secretário Christian Teixeira reforçou que o governo não tem condições de ofertar um reajuste de 172%, como pleiteado pelos policiais civis. "Como se trata de uma categoria volumosa, é necessário ter cautela. Hoje, com o cenário financeiro enfrentado por Alagoas, qualquer reajuste fora do planejamento pode penalizar o Estado", disse.

Com gazetaweb.com e assessoria

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email