'Politizaram a pandemia': OMS alerta que crise da COVID-19 segue em aceleração

"A pandemia ainda está se acelerando", afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, ao fórum virtual de saúde organizado a partir de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. Ele ainda disse que pandemia foi politizada e que falta liderança para superar a crise sanitária

Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS
Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS (Foto: Xinhua)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik News - A Organização Mundial da Saúde (OMS) enviou um alerta nesta segunda-feira (22) sobre os perigos do novo coronavírus, mesmo com países como a França flexibilizando as restrições, e outros já temendo uma segunda onda para muito breve.

Apesar de vários países europeus reduzirem ainda mais suas restrições de distanciamento social, os casos em todo o mundo estão aumentando, especialmente na América Latina, com o Brasil registrando agora mais de 50 mil mortes.

Também há temores de uma segunda onda com os australianos sendo advertidos contra viajar para Melbourne, a segunda maior cidade do país.

"A pandemia ainda está se acelerando", afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, ao fórum virtual de saúde organizado a partir de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

"Sabemos que a pandemia é muito mais que uma crise de saúde, é uma crise econômica, uma crise social e, em muitos países, uma crise política. Seus efeitos serão sentidos nas próximas décadas", acrescentou.

Ghebreyesus explicou que a maior ameaça que o mundo enfrenta não é o próprio vírus, que já matou mais de 465 mil pessoas e infectou quase 9 milhões em todo o mundo, mas "a falta de solidariedade global e liderança global".

"Não podemos derrotar essa pandemia com um mundo dividido", destacou. "A politização da pandemia a exacerbou".

O Brasil se enquadra nesta categoria, com o presidente Jair Bolsonaro comparando o vírus a uma "gripezinha" e argumentando que o impacto econômico do distanciamento social costuma ser pior do que o próprio vírus.

O Brasil é o segundo país mais afetado, atrás dos Estados Unidos, outro país onde lutas políticas impediram uma política unificada para lidar com o vírus em seus 50 estados.

A disseminação da COVID-19 está acelerando na América Latina, com o México, o Peru e o Chile também sendo atingidos com força, com o número de mortos aumentando e as unidades de saúde sendo levadas ao colapso.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247