Ponderado e pregando renovação, Perillo se contrapõe a Tasso

Reconhecido como agregador e fiel ao tucanato, o governador goiano está em campanha pela presidência do PSDB; ontem, esteve em Curitiba e se encontrou com Beto Richa e hoje estará em Florianópolis e Porto Alegre; Marconi Perillo prega a união do partido e a construção de programa de reformas profundas para o País; goiano seria o sopro de renovação do PSDB no campo progressista; do outro lado, o senador Tasso Jereissati consolidou sua candidatura diante de um confronto tenso com Aécio Neves; experiência de Tasso e seu histórico no partido são reconhecidos, mas o temperamento explosivo do senador joga contra nesse momento em que o partido tentar encontrar um pouco de união e convergência

Reconhecido como agregador e fiel ao tucanato, o governador goiano está em campanha pela presidência do PSDB; ontem, esteve em Curitiba e se encontrou com Beto Richa e hoje estará em Florianópolis e Porto Alegre; Marconi Perillo prega a união do partido e a construção de programa de reformas profundas para o País; goiano seria o sopro de renovação do PSDB no campo progressista; do outro lado, o senador Tasso Jereissati consolidou sua candidatura diante de um confronto tenso com Aécio Neves; experiência de Tasso e seu histórico no partido são reconhecidos, mas o temperamento explosivo do senador joga contra nesse momento em que o partido tentar encontrar um pouco de união e convergência
Reconhecido como agregador e fiel ao tucanato, o governador goiano está em campanha pela presidência do PSDB; ontem, esteve em Curitiba e se encontrou com Beto Richa e hoje estará em Florianópolis e Porto Alegre; Marconi Perillo prega a união do partido e a construção de programa de reformas profundas para o País; goiano seria o sopro de renovação do PSDB no campo progressista; do outro lado, o senador Tasso Jereissati consolidou sua candidatura diante de um confronto tenso com Aécio Neves; experiência de Tasso e seu histórico no partido são reconhecidos, mas o temperamento explosivo do senador joga contra nesse momento em que o partido tentar encontrar um pouco de união e convergência (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - Enquanto o PSDB não se converge em torno de uma figura central para preparar o partido para o pleito de 2018, os candidatos declarados à presidência da legenda estão em campanha. A eleição interna do PSDB está marcada para 9 de dezembro. Dois nomes estão no páreo: o senador cearense Tasso Jereissati e o governador Marconi Perillo, de Goiás.

Governador pela quarta vez, Marconi está em campanha. Na sexta-feira, esteve em Curitiba e se encontrou com o governador Beto Richa. Hoje, o goiano visita Florianópolis e Porto Alegre. Marconi se apresenta como o sopro de renovação dentro do PSDB e capaz de dar uma guinada ao campo progressista.

No partido, Perillo tem a fama de agregador, fiel e conciliador. Figuras como o governador Geraldo Alckmin e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso reconhecem a força do goiano e sua forte liderança no Centro-Oeste. Na região, Marconi tem o apoio declarado do governador de Mato Grosso, Reinaldo Azambuja, e do governador de Mato Grosso, Pedro Taques.

Desde que começou sua articulação, Marconi Perillo adotou a cautela e o discurso da união. "Não quero provocar rupturas ou brigas. Precisamos do PSDB unido e fortalecido", disse, quando comunicou Tasso de que seria candidato. Aliado de Alckmin, com quem mantém relação de confiança, Perillo até poderia desistir da candidatura caso o paulista se apresentasse para presidir o partido; hipótese que hoje é descartada.

A cautela de Perillo em conduzir seu projeto diante de um PSDB fragmentado vem rendendo elogios ao goiano. Marconi é visto como ponderado e capaz de abrir uma nova frente no PSDB, flertando com o campo progressista. No discurso, o governador goiano também vem criticando a cultura ódio que tomou conta do País.

Do outro lado, a candidatura de Tasso Jereissati nasceu do confronto com o senador Aécio Neves. Não é segredo para ninguém que os dois tiveram uma dura discussão quando o mineiro foi cobrar que Tasso deixasse a presidência interina do PSDB para conferir isonomia na disputa. O senador cearense, que é favor do desembarque imediato do governo de Michel Temer, não gostou do tom de Aécio e reagiu.

Os dois, que não têm boa relação há algum tempo, se estranharam. Aécio então decidiu destituir Tasso do comando do partido e escalou o ex-governador Alberto Goldman. A experiência de Tasso e seu histórico no partido são reconhecidos, mas o temperamento explosivo do senador joga contra nesse momento em que o partido tentar encontrar um pouco de união e convergência.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247