Pont: "Pedalada de Sartori vai gerar impeachment?"

Ex-prefeito de Porto Alegre Raul Pont questiona se os defensores do impeachment da presidente Dilma Rousseff ingressarão também com um pedido de impeachment contra o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB), pela prática de pedalada fiscal; “Qual diferença que existe entre o projeto enviado pelo governador Sartori pedindo autorização à Assembleia Legislativa para pagar salários por meio de empréstimos bancários e as chamadas pedaladas fiscais que o Tribunal de Contas da União cobra da presidenta Dilma?", questionou Pont, durante ato em defesa da democracia realizado junto ao busto de Leonel Brizola, ao lado do Palácio Piratini

Ex-prefeito de Porto Alegre Raul Pont questiona se os defensores do impeachment da presidente Dilma Rousseff ingressarão também com um pedido de impeachment contra o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB), pela prática de pedalada fiscal; “Qual diferença que existe entre o projeto enviado pelo governador Sartori pedindo autorização à Assembleia Legislativa para pagar salários por meio de empréstimos bancários e as chamadas pedaladas fiscais que o Tribunal de Contas da União cobra da presidenta Dilma?", questionou Pont, durante ato em defesa da democracia realizado junto ao busto de Leonel Brizola, ao lado do Palácio Piratini
Ex-prefeito de Porto Alegre Raul Pont questiona se os defensores do impeachment da presidente Dilma Rousseff ingressarão também com um pedido de impeachment contra o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB), pela prática de pedalada fiscal; “Qual diferença que existe entre o projeto enviado pelo governador Sartori pedindo autorização à Assembleia Legislativa para pagar salários por meio de empréstimos bancários e as chamadas pedaladas fiscais que o Tribunal de Contas da União cobra da presidenta Dilma?", questionou Pont, durante ato em defesa da democracia realizado junto ao busto de Leonel Brizola, ao lado do Palácio Piratini (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sul 21 (Marco Weissheimer) - O ex-prefeito de Porto Alegre e ex-deputado estadual, Raul Pont, questionou nesta sexta-feira (11), se os defensores do impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT) ingressarão também com um pedido de impeachment contra o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB), pela prática de pedalada fiscal. “Qual diferença que existe entre o projeto enviado pelo governador Sartori pedindo autorização à Assembleia Legislativa para pagar salários por meio de empréstimos bancários e as chamadas pedaladas fiscais que o Tribunal de Contas da União cobra da presidenta Dilma?, – questionou Pont, durante o ato em defesa da democracia realizado junto ao busto de Leonel Brizola, ao lado do Palácio Piratini.

“Não há nenhuma diferença. É exatamente o mesmo tema. O governo tem dívidas no final do ano que precisa pagar e utiliza o seu sistema financeiro para tanto. No caso federal, tivemos o Congresso votando recentemente a alteração do resultado primário. O Congresso Nacional autorizou o governo a ter um determinado déficit. É exatamente o que estamos vendo aqui no Rio Grande do Sul agora. Qualquer cidadão poderia questionar a pedalada de Sartori utilizando os mesmos argumentos que estão sendo usados contra a presidenta Dilma”, assinalou.

Pont não considera que a atitude de Sartori seja um crime e que o mesmo se aplica à presidenta da República, mas questiona a coerência daqueles que querem o impeachment de Dilma. “Não acho que essa seja uma atitude que o governador não deveria tomar. Está correto pagar o salário dos funcionários. Se não tem dinheiro efetivo em caixa, busca no banco e depois paga o juro. O governador também está correndo um risco muito grande de ser condenado pelo Tribunal de Contas a pagar do seu bolso os juros que o Banrisul vai cobrar? Se há crime de responsabilidade em Brasília, aqui é idêntico”.

“O que é mais interessante”, questionou ainda Raul Pont, “é que não estamos vendo na grande imprensa e nos seus colunistas sempre atentos aos temas do Tribunal de Contas nenhuma opinião sobre o que está acontecendo aqui no Rio Grande do Sul”.

Na quinta-feira, a Assembleia Legislativa gaúcha autorizou o governador José Ivo Sartori a parcelar o pagamento do 13º salário dos servidores em seis vezes, de junho a novembro de 2016. Os funcionários que desejarem receber o 13° agora terão que contrair empréstimo no Banrisul ou em outra instituição financeira. O Estado arcará com todos os custos da operação financeira e o pagamento do financiamento em seis parcelas.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email