Postos: TJ libera preço, mas exige concorrência

Postos estão livres para aumentar o valor do combustível novamente, desde que não alinhem os preços; liminar do Procon Goiás, expedida no dia 31, apontava alinhamento de preços e indícios de formação de cartel; na oportunidade, órgão havia constatado concentração de preços iguais ou semelhantes em mais de 70% dos estabelecimentos

Postos estão livres para aumentar o valor do combustível novamente, desde que não alinhem os preços; liminar do Procon Goiás, expedida no dia 31, apontava alinhamento de preços e indícios de formação de cartel; na oportunidade, órgão havia constatado concentração de preços iguais ou semelhantes em mais de 70% dos estabelecimentos
Postos estão livres para aumentar o valor do combustível novamente, desde que não alinhem os preços; liminar do Procon Goiás, expedida no dia 31, apontava alinhamento de preços e indícios de formação de cartel; na oportunidade, órgão havia constatado concentração de preços iguais ou semelhantes em mais de 70% dos estabelecimentos (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - O desembargador Olavo de Junqueira Andrade derrubou a liminar que obrigava os postos de combustíveis a retornarem aos preços praticados antes do dia 23 de julho. Agora, os postos estão livres para aumentar os preços dos combustíveis novamente, desde que sigam os princípios da livre concorrência, afirma o Procon Goiás. A liminar atende o recurso do posto Campos Teixeira Ltda.

Assim, durou apenas 11 dias, a determinação expedida no último dia 31. Ela atendia pedido de liminar do Procon, que apontava um alinhamento de preços e indícios de formação de cartel.

Na oportunidade, o órgão informou que havia constatado concentração de preços iguais ou semelhantes em mais de 70% dos estabelecimentos. Dos 102 postos analisados, o Procon tinha encontrado uma variação de apenas R$ 0,03 em praticamente todos eles. 

Os preços que giravam em torno de R$ 1,75 (etanol) e R$ 2,99 (gasolina) subiram repentinamente para R$ 2,59 (etanol) e R$ 3,59 (gasolina), o que causou revolta da população.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email