PPS pede à PGR abertura de inquérito contra Wagner

Na representação encaminhada nesta quinta-feira à Procuradoria Geral da República, o líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), argumenta que há, em tese, indícios de prática dos crimes de corrupção ativa e passiva pelo ministro da Casa Civil, Jaques Wagner; mensagens do empresário com o atual ministro estão sendo investigadas sob suspeita de que digam respeito a doações para campanha do PT à Prefeitura de Salvador em 2012

Na representação encaminhada nesta quinta-feira à Procuradoria Geral da República, o líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), argumenta que há, em tese, indícios de prática dos crimes de corrupção ativa e passiva pelo ministro da Casa Civil, Jaques Wagner; mensagens do empresário com o atual ministro estão sendo investigadas sob suspeita de que digam respeito a doações para campanha do PT à Prefeitura de Salvador em 2012
Na representação encaminhada nesta quinta-feira à Procuradoria Geral da República, o líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), argumenta que há, em tese, indícios de prática dos crimes de corrupção ativa e passiva pelo ministro da Casa Civil, Jaques Wagner; mensagens do empresário com o atual ministro estão sendo investigadas sob suspeita de que digam respeito a doações para campanha do PT à Prefeitura de Salvador em 2012 (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

BRASÍLIA (Reuters) - A liderança do PPS na Câmara dos Deputados pediu à Procuradoria-Geral da República (PGR) abertura de inquérito para investigar atuação do ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, e do ex-presidente da empreiteira OAS José Aldemário Pinheiro Filho, conhecido como Leo Pinheiro, em meio a denúncias de irregularidades.

Mensagens telefônicas do empresário com o atual ministro entre 2012 e 2014 estão sendo investigadas na operação Lava Jato sob suspeita de que digam respeito, em parte, a doações para campanha do PT à Prefeitura de Salvador em 2012, segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo na quinta-feira.

De acordo com o Estadão, o então governador da Bahia Wagner negociou apoio financeiro ao candidato petista à prefeitura da capital baiana na eleição municipal passada, Nelson Pellegrino, e depois Pinheiro solicitou a ajuda de Wagner para a liberação de recursos do governo federal para a OAS.

Na representação encaminhada na quinta-feira à PGR, o líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), argumenta que há, em tese, indícios de prática dos crimes de corrupção ativa e passiva.

"Importante considerar que não se está diante de mera especulação jornalística. A verossimilhança dos fatos apresentados, com grande riqueza de detalhes – inclusive a coincidência de datas entre a troca de mensagens e as eleições referidas certamente indicam a necessidade de que seja instaurado um inquérito para averiguar a veracidade das acusações", afirma o deputado na peça encaminhada à PGR.

As mensagens obtidas pelos investigadores da Lava Jato foram remetidas à Procuradoria-Geral da República devido à menção ao ministro, que tem foro privilegiado, segundo o jornal, mas até o momento não há inquérito aberto contra Wagner no Supremo Tribunal Federal (STF).

Leo Pinheiro já foi condenado a 16 anos de prisão pela Justiça no âmbito da Lava Jato, que investiga esquema bilionário de corrupção que envolve a Petrobras.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247