Prefeitura de Goiânia fecha 1º quadrimestre com déficit de R$ 36 milhões

Relatório da secretaria municipal de Finanças apresentado nesta segunda-feira, 28, na prestação de contas do 1º quadrimestre de 2018, do prefeito Iris Rezende, indicou que a Prefeitura não conseguiu equilibrar as contas dos primeiros quatro meses do ano; a receita acumulada de janeiro a abril foi de R$ 148 milhões 731 mil, enquanto a despesa ultrapassou R$ 158 milhões; o prefeito voltou a atribuir a dificuldade da Prefeitura ao “caos financeiro herdado da gestão passada e a tentativa de reequilibrar as contas públicas que vem fazendo”

Prefeitura de Goiânia fecha 1º quadrimestre com déficit de R$ 36 milhões
Prefeitura de Goiânia fecha 1º quadrimestre com déficit de R$ 36 milhões
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Câmara de Goiânia - Relatório da secretaria municipal de Finanças apresentado nesta segunda-feira, 28, na prestação de contas do 1º quadrimestre de 2018, do prefeito Iris Rezende, indicou que a Prefeitura não conseguiu equilibrar as contas dos primeiros quatro meses do ano. A receita acumulada de janeiro a abril foi de R$ 148 milhões 731 mil, enquanto a despesa ultrapassou R$ 158 milhões.

O prefeito voltou a atribuir a dificuldade da Prefeitura ao “caos financeiro herdado da gestão passada e a tentativa de reequilibrar as contas públicas que vem fazendo”. Ele passou ao secretário municipal de Finanças, Alessandro Melo, a tarefa de detalhar os resultados do orçamento de quatro meses de 2018.

O crescimento das despesas municipais foi de 10,74% enquanto as receitas ficaram em 7,57%, gerando diferença de 3,17% e a razão, segundo Iris Rezende, foram os gastos com remuneração de servidores públicos e com quitação do déficit previdenciário. “Apesar do déficit houve esforços da Prefeitura para conter o descompasso entre receita e despesa”, diz o texto. O déficit de R$ 36 milhões, porém, também contou com pagamento de empréstimo para o Puama e recomposição de contas de depósitos judiciais, aponta o relatório.

PREVIDÊNCIA MUNICIPAL

A previsão da Sefin é que o quadro piore, “porque, via de regra, o primeiro quadrimestre é sempre melhor do que os outros em decorrência da alta das receitas oriundas do IPTU e ITU no início do ano”, afirmou Alessandro Melo, adicionando que “100% da arrecadação do IPTU foi destinada para pagamento da folha de 9 mil inativos, servidores aposentados”. Entre 2014 a 2017 a aposentadoria dos funcionários consumiu R$ 1 bi 437 milhões 446 mil e se confirmada projeção para 2018, esse valor deve saltar para quase R$ 2 bilhões em cinco anos, diz a Sefin.

Tanto o secretário quanto o prefeito reafirmaram a necessidade de a Câmara Municipal de Goiânia aprovar matérias relativas à previdência municipal. Iris demonstrou que a solução seria a doação por parte do Executivo de “valiosas áreas públicas para o instituto e também a contribuição dos funcionários com a alíquota de 14%”. Ele sustentou que "espera que a Câmara reveja a decisão da CCJ". O projeto de reforma previdenciária municipal, que tramitava na Casa, foi arquivado semana passada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). “A CCJ não entendeu o teor do projeto da previdência, que tem o objetivo beneficiar a sociedade e não o servidor”, reiterou.

Alessandro Melo pediu que os vereadores aprovassem outro projeto em tramitação que trata do parcelamento em 200 prestações da dívida previdenciária da Prefeitura com o IPSM na ordem de R$ 40 milhões, o que daria um alívio para o Município. “Hoje a capacidade de investimento é de zero, pois a receita tributária vai toda para pagamento previdenciário”.

Na área de saúde a Prefeitura aplicou R$ 381 milhões 23 mil em investimentos na área, 19,42% da receita tributária, ultrapassando o limite constitucional de 15%. Porém na educação, a Prefeitura não alcançou o estipulado pela Constituição, que é de 25%. O relatório demonstra que foram aplicados 20,25%, que em cifra representa R$ 274 milhões 32 mil nos últimos quatro meses. “Em razão de a receita ser maior no primeiro quadrimestre com arrecadação do IPTU/ITU, os índices acabam sendo menores”, tentou justificar o secretário de Finanças.

A audiência de prestação de contas, prevista na Lei de Responsabilidade Fiscal, foi feita na Comissão Mista e presidida pelo vereador Lucas Kitão (PSL), com a presença dos demais membros. Segundo a legislação, durante o ano, o prefeito deve vir ao Legislativo para apresentar relatório de sua gestão nos meses de fevereiro, maio e setembro. O cumprimento das metas do 2º quadrimestre 2018 deverá ser apresentado no final de setembro.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247