Presidente da Fifa considera reduzir torneios de futebol para conter coronavírus

“Talvez possamos reformar o futebol mundial dando um passo atrás. Com diferentes formatos. Menos torneios, porém mais interessantes”, diz o presidente da Fifa, Gianni Infantino

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, acrescentou que árbitros terão o poder de parar ou até mesmo abandonar partidas caso aconteçam incidentes discriminatórios; “Nós iremos garantir que nenhum incidente aconteça e... nós temos pela primeira vez em uma Copa do Mundo o chamado procedimento de três passos, no qual um árbitro pode parar um jogo, ou até mesmo abandonar um jogo, caso haja incidências discriminatórias ou racistas”
O presidente da Fifa, Gianni Infantino, acrescentou que árbitros terão o poder de parar ou até mesmo abandonar partidas caso aconteçam incidentes discriminatórios; “Nós iremos garantir que nenhum incidente aconteça e... nós temos pela primeira vez em uma Copa do Mundo o chamado procedimento de três passos, no qual um árbitro pode parar um jogo, ou até mesmo abandonar um jogo, caso haja incidências discriminatórias ou racistas” (Foto: Leonardo Lucena)

247 - O presidente da Fifa, Gianni Infantino, sugeriu a redução do número de eventos de futebol para conter a crise do novo coronavírus, em entrevista concedida ao jornal "La Gazzetta Dello Sporrt", nesta segunda-feira (23). A informação é do jornal O Globo

Infantino afirmou que há estudos para a ideia de um ano “enxuto” de eventos do futebol mundial, e disse que é considerável dar um “passo atrás”.   

“Precisamos estudar o impacto global dessa crise. Agora é difícil, não sabemos quando voltaremos à normalidade. Mas vamos olhar as oportunidades. Talvez possamos reformar o futebol mundial dando um passo atrás. Com diferentes formatos. Menos torneios, porém mais interessantes”, diz o representante da autoridade máxima do esporte. 

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247