Presidente do TRF4 diz que falou 'tecnicamente' sobre sentença de Lula

Após declarar que a sentença do juiz Sérgio Moro que condenou o ex-presidente Lula a 9 anos e meio de prisão era "irretocável", o desembargador Thompson Flores, presidente do TRF-4, que julgará o recurso do ex-presidente, disse que estava falando "tecnicamente" sobre "redação e aspectos formais"; "A 8ª Turma vai julgar de forma isenta, imparcial e desapaixonada, como o Poder Judiciário deve ser", disse o magistrado, que foi alvo de representação no CNJ pelas declarações; ele estimou que o recurso deve ser julgado até agosto de 2018

Após declarar que a sentença do juiz Sérgio Moro que condenou o ex-presidente Lula a 9 anos e meio de prisão era "irretocável", o desembargador Thompson Flores, presidente do TRF-4, que julgará o recurso do ex-presidente, disse que estava falando "tecnicamente" sobre "redação e aspectos formais"; "A 8ª Turma vai julgar de forma isenta, imparcial e desapaixonada, como o Poder Judiciário deve ser", disse o magistrado, que foi alvo de representação no CNJ pelas declarações; ele estimou que o recurso deve ser julgado até agosto de 2018
Após declarar que a sentença do juiz Sérgio Moro que condenou o ex-presidente Lula a 9 anos e meio de prisão era "irretocável", o desembargador Thompson Flores, presidente do TRF-4, que julgará o recurso do ex-presidente, disse que estava falando "tecnicamente" sobre "redação e aspectos formais"; "A 8ª Turma vai julgar de forma isenta, imparcial e desapaixonada, como o Poder Judiciário deve ser", disse o magistrado, que foi alvo de representação no CNJ pelas declarações; ele estimou que o recurso deve ser julgado até agosto de 2018 (Foto: Aquiles Lins)

Rio Grande do Sul 247 - Durante participação nesta quinta-feira, 10, em evento promovido pelo Instituto dos Advogados do Rio Grande do Sul (Iargs), em Porto Alegre, o desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), afirmou adotou um tom mais cauteloso ao falar sobre o julgamento do recurso contra condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Após declarar que a sentença do juiz Sérgio Moro que condenou Lula a 9 anos e meio de prisão era "irretocável", o desembargador Thompson Flores disse que estava falando "tecnicamente" sobre "redação e aspectos formais". "A 8ª Turma vai julgar de forma isenta, imparcial e desapaixonada, como o Poder Judiciário deve ser", disse o magistrado.

A opinião do desembargador Thompson Flores sobre a sentença contra Lula lhe rendeu uma representação no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Ação foi protocolada na segunda-feira, 7, pelo deputado federal Wadih Damous (PT-RJ). "Ao dar essa declaração, no mínimo, ele tem que se dar por suspeito ou impedido em qualquer ato que tenha que praticar que diga respeito a esse processo. Em segundo lugar, ele praticou uma falta ética disciplinar", afirmou Damous (leia mais).

O presidente do TRF4, que não participa do julgamento, estima que o recurso de Lula seja julgado até agosto de 2018, prazo final para o registro de candidaturas para as eleições presidenciais.

Os três desembargadores que compõem a 8ª Turma são João Pedro Gebran Neto, relator da Lava Jato no TRF4, Leandro Paulsen e Victor Luiz dos Santos Laus.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247