Princípio de rebelião deixa dois mortos no Aníbal

Revoltados com o aumento da rigidez no processo de revista aos visitantes, um grupo de internos do Complexo Prisional Anbal Bruno rebelou-se, na manh deste domingo (26); houve confronto com o Batalho de Choque, que contornou a situao; outros trs presos e um policial ficaram feridos

Princípio de rebelião deixa dois mortos no Aníbal
Princípio de rebelião deixa dois mortos no Aníbal (Foto: Guga Matos/JC Imagem/AE)

PE247 – Dois presos morreram e outros três ficaram feridos durante princípio de rebelião no Complexo Prisional Aníbal Bruno, na Zona Oeste do Recife, neste domingo (26). Um policial que recebeu uma pedrada na cabeça precisou receber cuidados médicos. Ele levou seis pontos no corte sofrido e passa bem. O tumulto teria ocorrido pela insatisfação de alguns detentos que se mostraram insatisfeitos com a adoção de regras mais rígidas na instituição.

O princípio de rebelião foi iniciado às 9h, logo após o término do horário de visitas, e foi contornado poucas horas depois com a participação do Batalhão de Choque, que entrou em confronto com os detentos mais exaltados. Durante esse momento, Danilo da Silva Bezerra, 20 anos, foi baleado e morreu enquanto era conduzido para o Hospital Otávio de Freitas. O outro detento morto foi Dalton Ferreira Gouveia, 28 anos. Ele havia matado o pai de outro interno e há a suspeita de vingança.

Segundo informações da Secretaria de Ressocialização (Seres), os detentos ficaram revoltados com a demora do processo de revista dos visitantes, uma vez que o procedimento passou a ser mais minucioso.

Os três detentos que ficaram feridos - Rafael Alex da Silva, 22 anos, Jackson Leandro José da Silva, 21 anos, e Jaílson da Silva Santos, 26 anos - já receberam alta e retornaram à unidade prisional.

Após o Batalhão de Choque contornar o tumulto, as visitas continuaram praticamente em ritmo normal.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247