Procurador de Goiás diz que tiros na caravana foram de marqueteiro de Lula

O procurador da República em Goiás Ailton Benedito cogitou a possibilidade de um marqueteiro do ex-presidente Lula ter disparados os tiros contra o ônibus da caravana; "Cidadão de bem não possui arma de fogo, graças ao Estatuto do Desarmamento defendido pelo condenado Lula. Portanto, o suposto tiro contra seu ônibus teria sido deflagrado por algum bandido ou marqueteiro, para armar #FakeNews da grande mídia contra quem defende a sua prisão", provocou

Procurador de Goiás diz que tiros na caravana foram de marqueteiro de Lula
Procurador de Goiás diz que tiros na caravana foram de marqueteiro de Lula (Foto: Esq.: Divulgação / Dir.: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - O procurador da República em Goiás, Ailton Benedito, cogitou a possibilidade de um marqueteiro do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter disparados os tiros contra o ônibus da caravana do principal nome do PT.

"Cidadão de bem não possui arma de fogo, graças ao Estatuto do Desarmamento defendido pelo condenado Lula. Portanto, o suposto tiro contra seu ônibus teria sido deflagrado por algum bandido ou marqueteiro, para armar #FakeNews da grande mídia contra quem defende a sua prisão", escreveu o procurador em sua conta no Twitter. 

"Cadê as provas? Sem provas de materialidade e autoria (gravação em vídeo e áudio, por exemplo), não passa de tiro marqueteiro o supostamente deflagrado contra ônibus do condenado Lula, para alimentar as #FakeNews da grande mídia. Sigam o escândalo dos 'aloprados' de 2006", acrescentou.

De acordo com o procurador, "esquerdopatas estão nervosos porque, sem provas de materialidade e autoria, ninguém com mais de 2 neurônios acredita nas #FakeNews da grande mídia, que propagam a plantação marqueteira de que teria sido deflagrado suposto tiro contra ônibus da caravana do condenado Lula".

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247