Professores hostilizam Paulo Garcia e greve continua

Paralisação na rede municipal já dura um mês e servidores se concentram em ampliar movimento grevista; Sindicato Simsed acusa prefeito de intransigência e reclama que Paulo Garcia não recebe a categoria para negociar; trabalhadores reivindicam pagamento da data-base retroativa de 2014, cumprimento total do acordo firmado com a prefeitura no passado, gratificação de 30% para auxiliares administrativos e melhoria da infraestrutura das unidades

Paralisação na rede municipal já dura um mês e servidores se concentram em ampliar movimento grevista; Sindicato Simsed acusa prefeito de intransigência e reclama que Paulo Garcia não recebe a categoria para negociar; trabalhadores reivindicam pagamento da data-base retroativa de 2014, cumprimento total do acordo firmado com a prefeitura no passado, gratificação de 30% para auxiliares administrativos e melhoria da infraestrutura das unidades
Paralisação na rede municipal já dura um mês e servidores se concentram em ampliar movimento grevista; Sindicato Simsed acusa prefeito de intransigência e reclama que Paulo Garcia não recebe a categoria para negociar; trabalhadores reivindicam pagamento da data-base retroativa de 2014, cumprimento total do acordo firmado com a prefeitura no passado, gratificação de 30% para auxiliares administrativos e melhoria da infraestrutura das unidades (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - A greve na educação municipal continua e não tem indícios de que acabe em breve. Os servidores, que estão de braços cruzado há um mês, realizaram protesto na quinta-feira (14), ocuparam ruas de Centro de Goiânia e reafirmaram suas reivindicações, além de hostilizar o prefeito Paulo Garcia. O petista é alvo de ataques diretos porque o sindicato Simsed o acusa de ser intransigente e não receber a categoria para negociar.

Durante a manifestação, os professores fizeram mais uma assembleia e a decisão por continuidade da greve foi unânime. A paralisação afeta mais de uma centena de escolas e 40 mil estudantes. A Justiça de ordem para que metade das unidades continue funcionando.

A prefeitura afirma que mantém diálogo com os grevistas e justifica que não tem condições de financeiras de bancar todos os anseios do sindicato.

O Simsed reivindica pagamento da data-base retroativa de 2014, cumprimento total do acordo firmado com a prefeitura no passado, gratificação de 30% para auxiliares administrativos e melhoria da infraestrutura das unidades.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247