PSDB: bate em Chico, mas não bate em Francisco

Senador Aécio Neves (PSDB-MG), presidente nacional do partido, divulgou nota, nesta quinta-feira, em que questiona a ligação do senador eleito Antonio Anastasia (PSDB-MG) com o doleiro Alberto Youssef; "Não permitiremos que biografias honradas, como a do senador eleito de Minas Gerais, se confundam com a daqueles que vêm assaltando os cofres públicos no país", diz o texto; é uma atitude que contrasta diametralmente com a que foi tomada em relação aos senadores Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Humberto Costa (PT-PE), citados na delação premiada de Paulo Roberto Costa, e também em relação à presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula que, na visão do PSDB, "sabiam de tudo"; por que agora é diferente?

www.brasil247.com - Senador Aécio Neves (PSDB-MG), presidente nacional do partido, divulgou nota, nesta quinta-feira, em que questiona a ligação do senador eleito Antonio Anastasia (PSDB-MG) com o doleiro Alberto Youssef; "Não permitiremos que biografias honradas, como a do senador eleito de Minas Gerais, se confundam com a daqueles que vêm assaltando os cofres públicos no país", diz o texto; é uma atitude que contrasta diametralmente com a que foi tomada em relação aos senadores Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Humberto Costa (PT-PE), citados na delação premiada de Paulo Roberto Costa, e também em relação à presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula que, na visão do PSDB, "sabiam de tudo"; por que agora é diferente?
Senador Aécio Neves (PSDB-MG), presidente nacional do partido, divulgou nota, nesta quinta-feira, em que questiona a ligação do senador eleito Antonio Anastasia (PSDB-MG) com o doleiro Alberto Youssef; "Não permitiremos que biografias honradas, como a do senador eleito de Minas Gerais, se confundam com a daqueles que vêm assaltando os cofres públicos no país", diz o texto; é uma atitude que contrasta diametralmente com a que foi tomada em relação aos senadores Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Humberto Costa (PT-PE), citados na delação premiada de Paulo Roberto Costa, e também em relação à presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula que, na visão do PSDB, "sabiam de tudo"; por que agora é diferente? (Foto: Leonardo Attuch)


Minas 247 - "Não permitiremos que biografias honradas, como a do senador eleito de Minas Gerais, se confundam com a daqueles que vêm assaltando os cofres públicos no país", disse o senador Aécio Neves (PSDB-MG), em nota divulgada nesta sexta-feira.

Ele se refere à acusação, feita por um colaborador do doleiro Alberto Youssef, de que teria pago R$ 1 milhão ao ex-governador e senador eleito Antonio Anastasia (leia aqui a acusação e aqui a defesa de Anastasia).

Neste novo capítulo da Operação Lava Jato, o PSDB adota uma linha de ação diametralmente oposta à que foi tomada quando outros senadores, como Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Humberto Costa (PT-PE), foram citados no caso.

O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), por exemplo, incluiu o nome de ambos em seu relatório paralelo sobre a CPI da Petrobras. O líder do partido na Câmara, Antonio Imbassahy (PSDB-BA), também bateu duro, quando surgiu o nome de Gleisi. "É um fato grave, porque ela exerceu um cargo importante. A função era da mais íntima relação e confiança, na antessala da presidente da República. O que ela está dizendo não é suficiente para isentá-la. Estamos pensando, vamos discutir na segunda-feira com mais líderes de oposição, convocá-la para que deponha na CPI", disse ele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aécio também tentou utilizar a notória capa de Veja – a do "eles sabiam de tudo", que se referia à presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula – na reta final da campanha presidencial. Centenas de milhares da capa chegaram a ser rodados e distribuídos como panfleto político.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No entanto, em relação a Anastasia, a delação do colaborador de Youssef, para o PSDB, não tem mais validade.

Leia, abaixo, a nota divulgada por Aécio:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

NOTA À IMPRENSA

O PSDB refuta com absoluta veemência a suposta afirmação feita por um dos policiais presos na Operação Lava Jato, envolvendo o nome do senador eleito e ex-governador de Minas Gerais Antonio Anastasia.

A falsa e covarde acusação não se sustenta em pé, seja pelo caráter e honestidade pessoal do senador, reconhecidos até mesmo por seus adversários políticos, seja pela falta de nexo na história apresentada: Um nome de clara oposição ao governo federal sendo financiado por uma organização criminosa, formada por pessoas e diretores ligados à gestão do PT na Petrobras. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Alguém acredita que um governador de Estado se reuniria pessoalmente numa garagem com um emissário desconhecido para receber dinheiro?

O senador Anastasia já constituiu advogado que solicitará o aprofundamento das investigações, com a certeza de que elas mostrarão o absurdo dessas supostas afirmações. Não permitiremos que biografias honradas, como a do senador eleito de Minas Gerais, se confundam com a daqueles que vêm assaltando os cofres públicos no país.

Se o objetivo dessa farsa é intimidar e constranger a oposição, informamos que o efeito será justamente o contrário: o PSDB redobrará os esforços no sentido de continuar exigindo uma profunda e isenta investigação, que tenha como compromisso único revelar à população a verdade e os responsáveis pelo maior escândalo de corrupção na história do país, ocorrido ao longo dos últimos doze anos durante a administração do PT na Petrobras. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aécio Neves

Presidente Nacional do PSDB

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email