PSDB mineiro acusa PT de criar "factoide político"

De acordo com o PSDB mineiro, o PT criou um "factoide publico" ao questionar a publicidade da Cemig; segundo nota da legenda tucana, a companhia "expôs a hipocrisia do discurso do PT que, no Estado, sempre responsabilizou a empresa pelas tarifas praticadas, escondendo que se trata de decisão nacional"; os tucanos classificam, ainda, como "desastrada" a gestão do governo da presidente Dilma no setor energético

De acordo com o PSDB mineiro, o PT criou um "factoide publico" ao questionar a publicidade da Cemig; segundo nota da legenda tucana, a companhia "expôs a hipocrisia do discurso do PT que, no Estado, sempre responsabilizou a empresa pelas tarifas praticadas, escondendo que se trata de decisão nacional"; os tucanos classificam, ainda, como "desastrada" a gestão do governo da presidente Dilma no setor energético
De acordo com o PSDB mineiro, o PT criou um "factoide publico" ao questionar a publicidade da Cemig; segundo nota da legenda tucana, a companhia "expôs a hipocrisia do discurso do PT que, no Estado, sempre responsabilizou a empresa pelas tarifas praticadas, escondendo que se trata de decisão nacional"; os tucanos classificam, ainda, como "desastrada" a gestão do governo da presidente Dilma no setor energético (Foto: Leonardo Lucena)

Minas 247 – O PSDB mineiro, que tem o ex-ministro Pimenta da Veiga como pré-candidato ao governo estadual, acusa o PT de criar um "factoide publico" ao questionar a publicidade da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). Segundo nota da legenda tucana, "a Cemig expôs a hipocrisia do discurso do PT que, no Estado, sempre responsabilizou a empresa pelas tarifas praticadas, escondendo que se trata de decisão nacional". Os tucanos classificam, ainda, como "desastrada" a gestão do governo da presidente Dilma no setor energético.

Confira a nota na íntegra:

A propaganda da Cemig que está no ar é igual à que foi veiculada no ano passado, seguindo a diretriz da empresa de explicar como se dá a política de reajustes de tarifas no país e o critério de isenção de ICMS praticado no estado.
Se a publicidade é igual e naquela ocasião o PT não manifestou nenhum incômodo, o que mudou agora?
Simples, a reação do PT se explica por duas razões.

A primeira, pelo fato de, ao explicar à opinião pública como funciona o sistema de tarifas no país,

Este debate quanto à produção, veiculação e conteúdo de material de propaganda sobre as ações de governo, proposto pelo PT ao recorrer à Justiça Eleitoral, nos interessa.

Apenas para citar um dos graves casos protagonizados pelo governo federal, a Caixa Econômica Federal gasta milhões de reais para promover programas "Minha Casa, Minha Vida" sem informar que são empréstimos bancários, cujas prestações os "beneficiários" estão obrigados a pagar, mensalmente, sob pena de perderem suas casas ou apartamentos, inclusive com pagamento de juros.

O episódio lança luz sobre o conteúdo enganoso de outra propaganda, dessa vez da Eletrobras, que enganou os brasileiros ao fingir que o governo federal era o único responsável pelo programa Luz para Todos, quando, em Minas, por exemplo, 75% dos investimentos, entre recursos próprios e financiamentos que serão pagos pela Cemig, são de responsabilidade estadual.

Enquanto apropaganda da Cemig cita o governo federal, a do governo federal omite a participação da Cemig, como comprovado nos filmes abaixo:

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247