PT-SP vai discutir caso Siemens com Cade e PGE

Bancada do partido na Assembleia Legislativa de São Paulo quer instalar uma CPI para investigar o propinoduto tucano no Metrô e nos trens do Estado; para isso, pretende obter informações sobre as 18 representações protocoladas sobre o caso no MP

PT-SP vai discutir caso Siemens com Cade e PGE
PT-SP vai discutir caso Siemens com Cade e PGE
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SP247 - O PT paulista quer investigar a fundo a denúncia do propinoduto tucano no Metrô e nos trens metropolitanos (CPTM) de São Paulo, durante gestões do PSDB. 

Segundo a coluna Poder Online, do portal iG, a bancada sentará com o Cade e com a Procuradoria Geral do Estado para discutir o esquema denunciado pela multinacional Siemens, que também faz parte do cartel.

Saiba mais em:

Istoé aponta propinoduto tucano no metrô paulista

Superfaturamento de R$425 milhões no metrô paulista

A intenção é instalar uma CPI sobre o caso. Leia abaixo a nota do Poder Online divulgada nesta manhã:

A bancada do PT da Assembleia Legislativa de São Paulo vai se reunir com o Conselho Administrativo de Desenvolvimento Econômico (Cade) e com a Procuradoria Geral do Estado de São Paulo para discutir o cartel denunciado por executivos da multinacional Siemens.

O PT quer instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Assembleia e, para isso, quer informações sobre as 18 representações protocoladas no Ministério Público sobre o caso -13 estão sob sigilo judicial.

O Cade também investiga o caso desde antes a denúncia dos executivos. Em 2010, a Siemens chegou a ser multada pelo órgão.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247