Quatro empresas sonegaram cerca R$ 22 mi em BH

A Secretaria Estadual da Fazenda investiga, por meio da operação Carretel, quatro empresas de Belo Horizonte, suspeitas de envolvimento em um esquema de sonegação de impostos; as investigações constataram R$ 22 milhões em sonegamento do ICMS; uma das iniciativas para a execução de crimes contra a ordem tributária e sonegação de ICMS era a omissão de registros e informações ao Fisco Estadual

A Secretaria Estadual da Fazenda investiga, por meio da operação Carretel, quatro empresas de Belo Horizonte, suspeitas de envolvimento em um esquema de sonegação de impostos; as investigações constataram R$ 22 milhões em sonegamento do ICMS; uma das iniciativas para a execução de crimes contra a ordem tributária e sonegação de ICMS era a omissão de registros e informações ao Fisco Estadual
A Secretaria Estadual da Fazenda investiga, por meio da operação Carretel, quatro empresas de Belo Horizonte, suspeitas de envolvimento em um esquema de sonegação de impostos; as investigações constataram R$ 22 milhões em sonegamento do ICMS; uma das iniciativas para a execução de crimes contra a ordem tributária e sonegação de ICMS era a omissão de registros e informações ao Fisco Estadual (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - A Secretaria Estadual da Fazenda investiga, por meio da operação Carretel, quatro empresas de Belo Horizonte, suspeitas de envolvimento em um esquema de sonegação de impostos. As investigações constataram R$ 22 milhões em sonegamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

A operação, feita em parceria com a Advocacia Geral do Estado (AGE), tem o objetivo de combater um esquema de crimes contra a ordem tributária e sonegação de ICMS, que eram cometidos com a omissão de registros e informações ao Fisco Estadual, venda de mercadorias sem nota fiscal e constituição de empresas por meio de sócios-laranjas e documentação potencialmente falsa.

Segundo levantamentos preliminares feitos pela Delegacia Fiscal de Trânsito de Belo Horizonte (DFT/BH), motivados por denúncia recebida pela DFT/Teófilo Otoni, foram identificados dois grandes depósitos de mercadorias das empresas envolvidas. Os estabelecimentos funcionavam sem inscrição estadual e vendiam produtos por telefone e pela internet.

 
 

 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247