Queimada por ex, mulher cria instituto e tem terceira filha: ‘vida nova’

Aos 23 anos, Barbara Penna começo vida nova depois de agredida, queimada e jogada do terceiro andar de um prédio em Porto Alegre pelo ex-namorado, em novembro de 2013; ela criou o Instituto Barbara Penna, para a luta contra a violência doméstica, com "atendimento jurídico, psicológico e encaminhamentos em casos de agressões"; sobre a terceira filha, Bárbara desabafa: "ela me trouxe uma vida nova"; no incêndio, morreram os dois filhos dela, que fez mais de 200 cirurgias, teve lesões na bacia e no fêmur; fogo atingiu 40% do lado direito do corpo; orelha derreteu e a retina do olho foi queimada, o que exige um transplante de córnea

Aos 23 anos, Barbara Penna começo vida nova depois de agredida, queimada e jogada do terceiro andar de um prédio em Porto Alegre pelo ex-namorado, em novembro de 2013; ela criou o Instituto Barbara Penna, para a luta contra a violência doméstica, com "atendimento jurídico, psicológico e encaminhamentos em casos de agressões"; sobre a terceira filha, Bárbara desabafa: "ela me trouxe uma vida nova"; no incêndio, morreram os dois filhos dela, que fez mais de 200 cirurgias, teve lesões na bacia e no fêmur; fogo atingiu 40% do lado direito do corpo; orelha derreteu e a retina do olho foi queimada, o que exige um transplante de córnea
Aos 23 anos, Barbara Penna começo vida nova depois de agredida, queimada e jogada do terceiro andar de um prédio em Porto Alegre pelo ex-namorado, em novembro de 2013; ela criou o Instituto Barbara Penna, para a luta contra a violência doméstica, com "atendimento jurídico, psicológico e encaminhamentos em casos de agressões"; sobre a terceira filha, Bárbara desabafa: "ela me trouxe uma vida nova"; no incêndio, morreram os dois filhos dela, que fez mais de 200 cirurgias, teve lesões na bacia e no fêmur; fogo atingiu 40% do lado direito do corpo; orelha derreteu e a retina do olho foi queimada, o que exige um transplante de córnea (Foto: Leonardo Lucena)

Rio Grande do Sul 247 - Aos 23 anos, Barbara Penna começo vida nova depois de agredida, queimada e jogada da janela do apartamento pelo ex-namorado, em novembro de 2013. No incêndio, morreram os dois filhos dela, Isadora, de 2 anos, e João Henrique, de apenas 3 meses. Um vizinho que tentou socorrê-la foi asfixiado pela fumaça e não resistiu.

Mais de três anos depois, ela criou o Instituto Barbara Penna, para a luta contra a violência doméstica. Após conhecer o atual companheiro – um "homem bom", como ela diz –, teve a terceira filha, Luisa, com um ano e sete meses. 

Em seminário da Patrulha Maria da Penha, iniciativa da Brigada Militar para combater a violência doméstica, Bárbara disse que "muitas pessoas lutam pela causa". "O grande diferencial é quando você vê que uma pessoa não está lendo uma ficção ou vendo um índice, mas falando sobre o que passou. É muito importante existir relatos para conscientizar e chocar", destacou, após a participação no seminário.

O instituto vai acolher mulheres vítimas de violência doméstica, e a sede será em Porto Alegre, cidade em que mora e onde o crime aconteceu. "Quero reunir em um único lugar todos os atendimentos que uma mulher nessa situação necessita. Atendimento jurídico, psicológico e encaminhamentos em casos de agressões. E o principal, dar todo o suporte que eu, vítima de violência doméstica, não tive", afirma.

Sobre a terceira filha, Bárbara diz que "ela me trouxe uma vida nova, e muitos desafios junto, mas não tem como não olhar para aquele rostinho e não ter forças". "Ela me passa uma força sem limites", acrescenta.

O crime

Bárbara estava dormindo, quando foi acordada com socos - o namorado, (João) que havia conhecido pela internet, era muito obsessivo. Ela desmaiou com as pancadas, mas acordou com o forte cheiro de álcool. O líquido havia sido despejado pelo seu corpo e pelo chão da casa. Em seguida, João riscou um fósforo.

Ela fez mais de 200 cirurgias. Bárbara, que foi arremessada do terceira andar, teve lesões graves na bacia e no fêmur. O fogo atingiu 40% do lado direito do corpo. A orelha derreteu e a retina do olho foi queimada, o que exige um transplante de córnea. 

Mario Ênio Pagliarini, de 76 anos, era morador do sexto andar do prédio, havia descido as escadas para ajudar. Não resistiu e morreu no corredor, também sufocado pela fumaça.

O namorado dela também era usuário de drogas. Segundo relato do G1, a defesa alega que ele tem histórico de "drogadição desde novo e surtos de paranoia e esquizofrenia", e contesta um laudo do Instituto Psiquiátrico Forense (IPF) que atestou sanidade mental. Ele foi internado duas vezes em instituições para dependentes químicos, mas nunca por tempo prolongado.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247